Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

...

por Vieira do Mar, em 17.11.06
grunhos e meiguice


No outro dia, fiquei sem gasolina a meio da Calçada de Carriche, na subida, na via do meio e à hora de ponta. Depois de amaldiçoar tudo o que tem pernas e mexe, chamei o meu ACP privado, ou seja, o meu paizinho, enverguei aquele magnífico colete que nivela todos os portugueses por igual e por baixo, pus o triângulo nos regulamentares, quê?, trinta metros?, e sentei-me envergonhadamente no carro sem querer olhar a fila de trânsito que me precedia e que, por então, já chegava à Malveira. Certo é que a ajuda não chegava e, para todos os efeitos, quem me visse ali naquele colete infernal, a roer as unhas e a bufar de raiva, com os piscas ligados e um triângulo à distância regulamentar, presumiria que o carro se teria... avariado, certo? Certo. Mas nem isso impediu que, ao passarem por mim, os tugas e as tugas periféricos, suburbanos e maioritariamente desfavorecidos, me gritassem os piores impropérios. Enquanto os camionistas me gabavam a anatomia (que podia ser a de um ananás: seria sempre gabável e motivo de grande diversão), os outros chamavam-me de puta para baixo e mandavam-me andar. Juro, mandavam-me andar, como se eu tivesse parado ali, no sítio mais feio de Lisboa e arredores que conheço, para um piquenique. Não um, nem dois, nem dez: dezenas de grunhos e grunhas a chamarem-me nomes e a dizerem-me que avançasse. Parece que estaria a empatar o trânsito. Ainda não havia reparado... Para cúmulo, quando já pensava que a ajuda paterna havia sido engolida por tubarões geneticamente modificados, começo a ver, pelo retrovisor, os carros a acelerarem na subida e a virem perigosamente contra a traseira do meu. Alguns paravam a centímetros do pára-choques, a pedirem a minha cabeça, indignados. E eu, mas que merda, o triângulo deve ter caído. Saio do carro, avanço pela turba furiosa que pede o meu linchamento e reparo que o triângulo... foi furtado! Sim, alguém, enquanto me chamava de cabra rica, vingava-se finalmente da injustiça de ter nascido na base da pirâmide social, e acrescia à minha humilhação o prejuízo económico e o perigo de vida. Foi um bonito e encantador momento de Portugal real, que fez com que o que me aconteceu ontem até tivesse sido querido e me tivesse dado vontade de convidar o meu inimigo estradal para um café: a caminho de uma rotunda, um beto no seu inevitável suv tentava fazer qualquer coisa com o telemóvel (talvez algo difícil, como marcar) e andava de faixa em faixa, não me deixando ultrapassá-lo (para não variar, eu estava com pressa). Depois de uma chuva de máximos, lá consegui passar-lhe à frente, com uma gazada súbita e entrei logo na primeira à direita. Pois parece que ele queria ir em frente para a segunda saída, não pode e não gostou, porque estava na faixa de fora e, se seguisse rotunda fora, batia-me. Fez uma travagem, todo assustado, coitado, disse-me umas coisas com o vidro fechado e eu mandei-o pastar. Obrigado a cortar igualmente à direita, parámos lado a lado no sinal. Aí pelos trinta anos, o cabelo amarelo à Herman, num estilo Gant que lhe caía bem e quase de certeza um dos participantes no blogue do não, o beto começou a minha evangelização: que não devia tê-lo ultrapassado, que tinha criado uma situação de perigo (eu?!) e iadaiadaiada. Chateada que nem um peru e sem vontade de lhe explicar que fora o seu comportamento errante e a merda da inabilidade para carregar botões que haviam provocado a coisa, mandei-o novamente dar uma curva, ir pastar, caçar gambuzinos, dar uma volta ao bilhar grande, experimentar um novo tom para o cabelo... Entretanto o sinal fica verde, eu a prepar-me para aquele impropério final e cobarde que a gente dispara antes de arrancar e ele, A menina estava a precisar de umas palmadas, ai estava, estava! Confesso que fiquei sem fala. A perspectiva de um bondage sadomaso meiguinho com o beto de cabelo amarelo, o carinho quase paternal que senti no castigo proposto... quebraram-me completamente as defesas e fizeram-me ver o conflito estradal a toda uma nova luz. E, lá está: apeteceu-me convidá-lo para um cafezinho e até pôr-me de certa forma a jeito...

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D