Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

...

por Vieira do Mar, em 19.09.06
o apito pariu um rato?


O povo exalta-se ou exulta, consoante os ventos informativos: parece que o processo apito dourado vai ao ar! A Lei de nada vale pois é inconstitucional! Os malandros/espertalhaços/heróis (escolher uma) dos árbitros acusados vão safar-se! A nossa Justiça é uma farsa! Um embuste! Bem, não digo que não seja, no entanto, deixem-me só largar aqui umas achazinhas jurídicas para esta fogueira e isto, só porque não gosto de me sentir manipulada pelos media, muito menos sabendo que os outros, pela sua ignorância funcional, ainda o são mais.

Então, é assim. Embora um bocado às cegas, dado que não conheço o processo e pouco li sobre o mesmo na comunicação social (e o que li foi devidamente filtrado, pois desconfio), presumo com alguma segurança que os árbitros que agora, supostamente, correm o risco de ir em paz tenham sido acusados de corrupção, ao abrigo do disposto nos art.ºs 2º e 3º do D.L. 390/91, de 10/10 (Corrupção no Desporto). Ou seja, existem indícios de que, naquela qualidade, terão aceite vantagens patrimoniais que não lhes eram devidas com o fito de alterarem ou falsearam o resultado de competições desportivas e, assim, praticado um ou mais crimes chamados específicos próprios, ou seja, que só podem ser assacados a pessoas com uma determinada qualidade (neste caso, a de árbitros, dirigentes desportivos, treinadores, etc.). Shegue...shegue...

Ao mesmo tempo, o Código Penal (CP) prevê o crime de corrupção passiva tout court que, embora mais abrangente, também é especiífico próprio, pois só pode ser praticado por funcionários. No entanto, é comummente aceite nas doutrina e jurisprudência que deve ser dado ao conceito de "funcionário", que surge no art.º 386º deste diploma, uma interpretação lata: "É funcionário público para efeitos penais todo aquele que é chamado a desempenhar uma actividade compreendida na função pública ou que, nas mesmas circunstâncias, desempenhe funções em organismos de utilidade pública ou nelas participe, e isto mesmo que tenha sido chamado provisória ou temporariamente, e ainda que não seja remunerado" (diz Maia Gonçalves, um guru destas coisas, in Código Penal Português Anotado e Comentado, 14ª Ed. pág. 997).

Ora bem. A Federação Portuguesa de Futebol é uma entidade privada, mas de utilidade pública ( art.º 2 e 3 do D.L. 460/77 de 07/11), à qual compete a "gestão da Arbitragem" (vem no Regulamento da coisa...). Não é preciso enviesar muito o raciocínio para chegarmos à conclusão de que, para efeitos de imputação de um crime, um árbitro possa ser considerado um funcionário, certo? Shegue, shegue...

Por outro lado, como se depreende do teor do n.º 3 do art.º 358º do Código de Processo Penal (CPP), o Tribunal, tanto em sede de Instrução como de Julgamento, é livre para alterar a qualificação jurídica feita pelo MP e para pronunciar ou condenar por crimes(s) diferentes(s) dos constantes da acusação. Se, quanto aos factos, não pode verificar-se nenhuma alteração substancial, já no que concerne ao enquadramento jurídico dos mesmos, qualquer alteração é possível (em dependendo do que entretanto ficar, ou não, provado, claro). Shegue...shegue...na direcção do café do barbosa...

Isto significa que o juiz pode sempre concluir que os actos que o arguido praticou, configuram o crime B e não o crime A. Apliquemos agora isto à situação de um diploma cuja inconstitucionalidade tenha sido alegada a meio do processo. No despacho instrutório ou no Acórdão, nada impede o juiz de afirmar que o arguido y não praticou o crime de corrupção no desporto (porque, por exemplo, o diploma que o prevê foi declarado inconstitucional), mas que a sua actuação não deixa de poder subsumir-se ao crime de corrupção passiva para acto ilícito, previsto no art.º372º do CP.

Portanto, assim a uma primeira vista, não me parece de todo descabida que uma acusação ou pronúncia tendo por base o decreto-lei da corrupção desportiva, possa ser judicialmente convolada para uma condenação por corrupção passiva nos termos da lei penal geral. Teoria absurda? Talvez. E sim, o processo "apito dourado" até pode ir ao ar, como diz por aí o povo que, na falta de conhecimentos jurídicos e de ideias de sua lavra, adora papaguear os media (mesmo quando apregoam a certeza de uma inconstitucionalidade ainda não declarada). Mas também pode não ir. Até porque a complexidade actual dos ordenamentos jurídicos permite isto mesmo: que insignes jurisconsultos sejam pagos a preço de ouro para descobrirem brechas na lei e que outros sejam igualmente bem pagos (ou melhor) para descobrirem brechas nas brechas.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D