Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

...

por Vieira do Mar, em 11.08.06
Mais do que o betão pronto dos patos bravos e do que os manguitos generalizados ao domínio público marítimo e às reservas ecológicas, a verdadeira praga assassina da costa portuguesa, são os parques de campismo.

Durante a infância, tive a imensa sorte de ter tido pais aventureiros que me levaram a conhecer a Europa de tenda às costas e, mais tarde, de roulotte (como então se dizia e usava) Faziam-no por gosto, pela óbvia minimização do stress na procura da pernoita, pela sensação de liberdade que dava o rumo ao desconhecido e, claro, porque saía mais em conta. Durante esses périplos, designadamente pelo norte, lembro-me de parques de campismo que eram um verdadeiro luxo, com instalações sanitárias dignas de um spa e uma vizinhança silenciosa e civilizada, tudo animado de um contacto mais próximo, respeitador e autêntico com a natureza.

Aqui, em Portugal, e durante muitos anos, os parques de campismo foram o reduto de veraneio do pessoal das barracas e do T2 da Rinchoa, o território possível de lazer daquela franja mais desgraçada da sociedade: a que nem sequer almeja aos quinze dias na Quarteira ou Monte Gordo. Paradoxalmente, e porque eram edificados em cima de praias ainda desertas nas franjas das localidades costeiras, acabaram nas zonas mais paradisíacas do país, com os melhores acessos ao areal e as mais bonitas frentes de mar.

Intra muros, no entanto, são uma espécie de visão dos infernos: o reino da chanata e do avental, onde impera o sempiterno cheiro a sardinha e a couratos e se aglomeram as tendas de três quartos com avançado, complementadas com os inefáveis estendal de roupa, televisão e frigorífico (e/ou arca), encimado pelo naperon feito no intervalo da novela. São o exemplo acabado da transumância da periferia mais pobre, com tudo o que esta tem de pior, desde a falta de gosto à falta de qualidade de vida, para a beira-mar.

O campista português típico não quer o contacto com a natureza, quer mas é esquecer que, durante um mês, tem de estar obrigatoriamente perto dela. Porque está de férias em Agosto, tem trinta dias para gastar e éassim que faz desde sempre; porque o iodo faz bem ao reumático, os miúdos gostam de umas boas amonas e a Maria tem de molhar as varizes a ver se desincham, ruma à beira-mar com o gato, o cão, o periquito e a sogra, mas agarra no T2 e transpõe-o para debaixo de um oleado colorido, que ele, sem o conforto a que está habituado e as suas coisinhas, não passa. É por estas e por outras que um parque de campismo português, para além de ser um espaço feio e grosseiro é, também, altamente claustrofóbico: nos cerca de oito metros quadrados de chão que cabe a cada família, amontoam-se mobília, electrodomésticos e bibelots, numa demonstração de vaidade acumulada, temperada com laivos de competitividade inter-vizinhança.

O camping não é um espaço para o português melhor conviver com a natureza e, muito menos, para a apreciar: continua a haver futebol e novela, a Maria debruçada sobre o fogão e os tanques de roupa, as cervejas, os tremoços, as pevides e as aguardentes no café; continua a haver o cuspir para o chão e as transferências do Simão, embaladas num ressonar colectivo.


É claro que as praias propriamente ditas e disputadas por todos, os campistas e os outros, são prontamente invadidas por esta horda tonitruante e poluidora (já que limpinho, rebrilhante e a tresandar a lixívia, só mesmo os nossos oito metros quadrados...) que, por estar mais perto e ali mesmo à porta, chega sempre primeiro e abanca nos melhores spots com os seus panelões de caldeirada, as geleiras, os pára-ventos, os guarda-sóis, os transistóres e as bolas sempre (mas sempre) desviadas da sua trajectória natural. E não há como exterminá-los: por uma diária baratinha, sem gastos extra de gasolina nem problemas de estacionamento, é certo e sabido que, no dia seguinte, à mesma hora, lá estarão outra vez.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

Favoritos