Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

...

por Vieira do Mar, em 28.05.07
o post sobre a notícia sobre a falta de notícia


Por entre a histeria mediática que começa a feder e a fazer-nos perder a noção do que é verdadeiramente importante, estranhei, a frieza ensaiada dos pais de Madeleine, a desresponsabilizarem-se perante as câmaras de televisão. Dir-se-á que tudo lhes é permitido, que tudo vale, para que a questão não caia no esquecimento e para que, por momentos, se aliviem do terrível fardo que carregam. Mesmo que, apenas, para que as pessoas (sempre tão fáceis a apontar o dedo) discordem, critiquem, acusem, estranhem: enquanto o rosto daquela criança estiver bem vivo na nossa memória, nas nossas palavras, quem sabe um de nós não a reconhecerá na esquina. Basta uma hipótese, por mais que remota. Futebolistas, actores, ministros, príncipes, o Papa: venham eles. Entretanto, a nossa desastrosa polícia, pressionada pelo exibicionismo do modus operandi anglo-saxónico, aparece três semanas depois com um extemporâneo "aviso" sobre um alegado "suspeito", cuja descrição corresponde para aí a um terço da população portuguesa. E depois os media, que entretanto já falam da falta de assunto dos media. E nós, que já escrevemos sobre os media que falam da falta de assunto dos media. Sim, tudo lhes é permitido, a eles, aos pais, em nome desta dor que deve ser a maior de todas, um luto jamais cumprido, a vida a oscilar entre o puro desespero e a mais absurda das esperanças. Não quero nem imaginar. Mas começa a desenhar-se-nos a sensação de que tudo isto está a ficar fora de controlo, a distanciar-se do seu propósito inicial. Isso é bom ou mau? Se pensarmos que todo este barulho poderá ter um, mesmo que apenas ligeiro, efeito dissuasor em casos futuros, já terá valido a pena. Sim, talvez por aí. Os potenciais raptores, sabendo que o mundo acorda agora mais atento, mais alerta: em cada cidadão um vigia. No entanto, há qualquer coisa de quase imoral, na cronometragem mediática do espectáculo da dor dos pais e da solidariedade alheia, que pode, a curto prazo, pôr em causa os sentimentos naturais de empatia e de compreensão, por parte da opinião pública para com o casal McCann. Não se trata da desproporção comparativa dos meios empregues nesta investigação(ou, pelo menos, não deveria sê-lo): não é neste caso, que tais meios são de mais; é nos outros casos, anteriores a este, de outras crianças desaparecidas (e não só portuguesas: esta situação não tem paralelo no mundo inteiro), que tais meios terão sido, lamentavelmente, de menos. Mas começa a notar-se uma inevitável saturação da atenção das pessoas que, tarda nada, começarão a fechar os olhos, a olhar para o lado e a mudar de canal, fartas de missas, passeios, viagens, cenas do dia-a-dia, directos do aldeamento e do portão fechado de uma vivenda onde nada acontece. A continuar assim, a acentuar-se este efeito perverso, até o famoso ursinho de peluche nas mãos daquela mãe será, um dia e injustamente, apontado como um recurso fabricado para manter viva a compaixão pública, entretanto tornada céptica. Vantagens de facto (no sentido de, por via delas, alguém ficar efectivamente mais perto de saber o que aconteceu à criança) neste insuflar artificial da tenda do circo mediático que envolve o casal, é que me parece não haver lá muitas.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

Favoritos