Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

waiting sucks

por Vieira do Mar, em 11.04.11

Inda agora conversava com uma amiga querida sobre o fascínio que exerce sobre nós a série  True Blood. Eu não gosto de vampiros. Aliás, acho ridículo pessoas adultas vibrarem com o tema e terem frémitos de excitação com historietas adolescentes como twilights e afins. Li o Dracula de Bram Stoker quando tinha dezasseis anos, roubado à sorrelfa da biblioteca dos meus pais, e chegou. Não acho nada sensual, sexo misturado com sangue. O primeiro é uma coisa boa (ou pode ser, claro), o segundo lembra-me doenças, violência, cheiro a ferro, dentes de leite arrancados, dores de parto, cortes na cozinha quando descasco cebolas e cicatrizes para a vida. E no entanto. No entanto, há qualquer coisa em True Blood que me deixa absolutamente fascinada, colada ao ecrã. Algo que me torna a mais eficiente hacker, a sacar da net séries inteiras, a rever os episódios uma e outra vez, mesmo quando o elemento suspense já foi. Não falo do genérico (fabuloso) que sei de cor, nem da excelente banda sonora dos créditos finais, sempre diferente. Um princípio e um fim não chegam para fazer uma boa série. No fundo, acho que o que me atrai é a indefinida dualidade entre o bem e o mal. Ali, nunca ninguém é exactamente bom nem totalmente mau; no entanto, o Bem e o Mal andam à solta como nunca vi em nenhuma outra série. À solta dentro de cada um dos personagens. Não há dois lados que se digladiam, há pessoas que se digladiam interiormente com as suas duplas, triplas, naturezas. O facto de uns serem vampiros, outros humanos, fadas, metamorfos, ou lá o que lhes queiram chamar é apenas uma metáfora. Uma metáfora para a capacidade que todos temos dentro de nós para, perante certas circunstâncias, nos transformarmos em anjos ou em monstros. E depois há a perspectiva utilitária e manipuladora do ser humano, que perpassa toda a série: mesmo a criatura mais boazinha não olha a meios para conseguir os fins; e o mais malvado dos vampiros é capaz de, no final, exercer a misericórdia, o arrependimento e ser generoso para com os que ficam. O vício cresce à medida que a trama avança porque a confusão entre o Bem e o Mal interiores cresce exponencialmente, em especial nos personagens principais, pelo que é impossível adivinhar o que vai acontecer a seguir. Como dizia a minha amiga, aquilo é com vampiros, mas podia ser com empregados de escritório. Porque o que ali acontece é a natureza humana em todo o seu esplendor - e que ainda por cima nos é apresentada com imaginação e diálogos de antologia. Pessoalmente, além do gozo que me dá acompanhar a trama propriamente dita, é uma série que cai que nem ginjas no momento que vivo actualmente, em que saí da redoma e me apercebi de que o Mal e o Bem podem coexistir no mesmo espaço, ao mesmo tempo, às vezes em mim; noutras vezes, em outros. E que as pessoas não mudam; apenas são uma ou outra coisa, em maior ou menor grau, consoante a vida as empurra num ou noutro sentido. As presas sangrantes e os pescoços distendidos em esgares de suposto prazer são só folclore para rapariguinhas góticas e para outras não tão rapariguinhas nem tão góticas assim, que nada percebem de tesão com homens a sério e que desse modo excitam as suas imaginações doentias. De qualquer modo, e voltando ao que interessa, a série é um portento de malevolência, altruísmo, manipulação, perversidade, generosidade, fé e traição: ou seja, de humanidade em estado puro (para mais, passa-se nos EUA sulistas, ignorantes e atrasados, pasto para as emoções e as crenças mais primárias). Portanto, vejam-na se puderem. As primeiras três séries estão inteirinhas na net. Estou que não me aguento com a quarta, que nunca mais chega. E como eles dizem na página do FB, waiting sucks.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

Favoritos