Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

a filosofar sobre as sopeiras ou o ipiranga das patroas

por Vieira do Mar, em 25.07.10

Disclaimer: este é um post fascizóide. Portanto, esquerdalhas defensoras do subsídio social, das férias negociadas, do seguro de saúde e do basicamente "aqui quem manda é a minha empregada", sigam.


Por razões que me ultrapassam, juro (tipo mortes e doenças improváveis), tenho tido várias empregadas domésticas nos últimos tempos. E, como mais do que duas já me chegam para teorizar, tenho chegado a várias conclusões, sendo a principal a seguinte: mesmo a mais angelical das moldavas, a mais fofinha das amas-de-leite angolana ou a mais honesta das mães de família portuguesa, é na verdade um demónio, todas uns penates invertidos  que vieram ao mundo para foder o nosso caos natural de patroas, desajudando enquanto, alegadamente, "arrumam". 

E quem esteve algum tempo sem as ter, percebe ainda  melhor o que quero dizer: ao princípio é o pânico: ai!, ai!, ai!, e agora o que é que eu vou fazer?. Ele são as pilhas de roupa que se acumulam pelos cestos, os pêlos de gato em tufos  pela casa, as camas por fazer quando chega a noite, a loiça que se acumula porque nem há tempo de a enfiar na máquina e de repente já é o dia seguinte. São as teias de aranha, o pó e as casquinhas que oxidam. Mas, aos poucos, lá nos vamos organizando, distribuindo algumas tarefas por terceiros  (poucas, que as crianças continuam a achar que um grupo de duendes lhes arruma os quartos durante a noitem enquanto dormem). Aprendemos expressões populares e giras como "fazer máquinas de roupa", que partilhamos triunfantes com os que nos são próximos, que nos ouvem, horrorizados: "Olha, ontem fiz quatro, QUATRO!, máquinas de roupa!". Também é natural que, por alguns tempos, toda a roupa  ganhe o mesmo tom acinzentado, dito de burro quando foge, porque nos é desconhecido aquela coisa básica de "não misturar cores diferentes": a bem dizer uma patroa não nasce ensinada. Entretanto, lá aparece uma empresa que nos carrega a dita roupa depois de lavada dali para fora e no-la entrega já passada; as camas vão sendo feitas à má-fila, o pó é esquecido e as pratas também e, desde que apareça comida na mesa, está tudo bem e a vida segue. Até que um dia concluímos que, por mais que nos esforcemos, a  casa não tem maneira de se compôr, de brilhar, de ficar bonitinha como dantes. Apercebemo-nos disso quando damos por nós a desculparmo-nos perante as visitas e a enfiar boxers sujos para debaixo do armário com o pé. Enquanto isso, as plantas morrem de sede, não há quem dobre a roupa interior, a aranha no canto já gerou descendência e às tantas não sabemos se a casa é nossa, se dela e das filhinhas dela. Os recantos mais obscuros da cozinha acumulam porcaria - como os fundos da dispensa e das gavetas, onde  nunca chegamos. Instala-se o pânico das baratas e de outros rastejantes, daqueles que sobem pelos canos. E começa mais uma vez o calvário das entrevistas ao sopeiral.

São sempre todas recomendadas por amigas e tias, do melhor não há, conhecidas da Svedlana, "que está há dez anos em nossa casa". Estranhamente, as entrevistadas querem logo saber das férias, dos subsídios, dos descontos para a segurança social e do horário de trabalho, e todas elas são limitações, embora nos exijam este mundo e o outro. Oito euros por hora ou setecentos euros de ordenado fixo, logo à cabeça. Nunca perguntam se há crianças em casa, que idades têm, como se chamam cagando e andando. Uma ficou logo ali quando lhe disse que, periodicamente, tinhamos um cão. Grande. E ela: "é que se ainda fosse pequeno... tenho horror a cães!". Portanto, a estatura do cão (dócil, estamos a falar de um labrador), impediu-a de aceitar o emprego. Talvez tivesse preferido um pincher daqueles que vão logo às canelas. Ou apenas não queria trabalhar (o mais provável). O que nos leva directamente para a próxima questão (e aqui entramos na tese propriamente dita):


 a) as sopeiras são todas umas esquisitas. O que é bom para nós nunca é suficientemente bom para elas. Só comem pão assim e assado,  ou integral, ou saloio, ou de sementes, ou alentejano ou o caralhinho, e nós de carcacinha com manteiga, todas contentes. A carne, só do lombo porque os dentes, ai os meus dentes são muito sensíveis e o senhor doutor disse-lhes que só podiam comer da tenrinha. Então mandamo-las ao talho comprar frango para fazer com esparguete, e elas vêm com o saquinho de bifinhos do lombo para jantarem em casa. E a fruta, só da melhor: mangazinha e papaia, das madurinhas, porque a minha Rute só gosta de fruta muito doce, e o ananáz tem de ser abacaxi que ela tem tendência a fazer aftas, diz-me uma enquanto eu rôo uma maçãzita (pronto, é bravo-esmolfe, é verdade, mas não chega aos pés de uma manga madurinha). 
E os restos? Não conheço sopeira que coma restos de refeições anteriores. Já tive várias a quem dizia, expressamente: "oh dona xis, para o almoço tem aí o resto do empadão que fiz para o jantar, está guardado no frigorífico; também sobrou salada". Qual quê. Caso calhasse vir a casa à hora de almoço, lá estavam elas a alambazar-se com queijinhos frescos e tostinhas e ovinhos mexidos e manguinhas e o empadão à espera, para o comermos nós ao jantar. Também não bebem qualquer coisinha: água, só mineral ou purificada, que a da torneira pesa no estômago e sumos, só de laranja e naturais, porque os outros é só corantes e açucar. E isto porque:

 b) todas as sopeiras estão sempre doentes. Não sei se já repararam, mas não existe uma empregada doméstica que venda saúde e que chegue energética e a fazer jogging para o trabalho. Têm sempre milhões de achaques: ou de coração, ou pernas inchadas, ou tendinites, ou são fracas de estomago (daí só poderem comer iguarias, e não empadões requentados), ou são as cruzes e não podem estar muito tempo em pé, ou têm tensão baixa ou tensão alta. Isto não seria dramático se as casas não tivessem esquinas e se a gente, patroas, não tívessemos de nos cruzar com elas de quando em vez. Porque quando somos apanhadas elas já não nos largam e estamos feitas. Normalmente, têm ou já tiveram todas as doenças catalogadas pela OMS - elas e as respectivas ninhadas; e, enquanto  vão contando os meses que estiveram internadas e os procedimentos previsivelmente carérrimos a que estiveram sujeitas para ficarem boas,  depois de cem tacs e  duzentos exames acabados em ias, daqueles que a gente só ouve falar  no house, cospem sem dó nem piedade no sistema nacional de saúde. Que um dia uma enfermeira passou por elas e nem lhes disse bom dia, que outro dia o médico nem olhou para elas no corredor, o ordinário. E depois vão sempre a muitas juntas médicas e estão sempre muito de baixa. Mas, para elas, é sempre "uma vergonha, senhora doutora! uma vergonha! ai o que eu sofri, que estava a ver que me ficava ali naquela cama de hospital!".
E não são só as doenças, ná. Quando coincidimos com elas numa qualquer divisão da casa (valha-nos deus!), temos de correr, correr muito!,  senão somos fulminadas com a conversa sobre "qual o melhor detergente para mosaicos" ou "a minha filha teve notas muito boas na escola e ganhou uma bolsa de estudo" (e nós lixadas porque os nossos tiveram suficiente, as putas), ou ainda o clássico: "o meu irmão que está emigrado vive numa cidade alemã muito linda e lá  têm regalias de saúde a sério, não é como cá" (esta versão é em especial para as sopeiras tugas da bata, de preferência as que já  foram operadas três vezes ao coração sem pagarem um tusto e que ganham de vários lados sem nunca terem feito um único desconto).
Quando finalmente nos libertamos das suas garras queixosas, e elas vão trabalhar qualquer coisa, e aí é pior a emenda do que o soneto. porque:

c) as sopeiras querem sempre transformar os nossos apartamentos à imagem e semelhança das  suas casinhas na pontinha ou em rio de mouro - e fazem-no quando nós não estamos a olhar. Por exemplo, a obsessão pelas molas de roupa: elas usam molas de roupa para tudo, não apenas para pendurar a roupa propriamente dita. Gostam do objecto, pronto. Fecham os saquinhos todos com aquilo "pra não entrar ar" e deixam-nas espalhadas pela cozinha, não vão ser precisas a qualquer momento. Depois lavam e guardam os boiões dos iogurtes, onde metem terra e algodão para nascerem sementinhas não sei de quê, porque têm a mania que são jardineiras. E de seguida vão-me para o terraço escavar ceninhas e trocar as plantas de vasos, e transplantar as ervinhas dos boiões para os vasos maiores, e cortam-me rosas  para fazerm arranjos que metem em jarras no meio da sala.  Além de prenderem cordas de roupa com nós impossíveis, com que me  atravessam o terraço de lado a lado, e onde balançam meias e cuecas -  que o estendal que lá pus, escondidinho atrás de umas treliças, nunca lhes chega. A minha presente  empregada, por exemplo, fodeu-me o ambiente lounge: neste momento, tenho aquilo transformado numa mini-marquise da rinchoa, que até cactos tem (cactos!), o que só ontem descobri. Estou com uma fúria destrutiva digna de um transformer, um dos maus.

 

Mas elas ganham sempre: agora, por exemplo,  vou comer o resto das almôndegas de ontem e fazer as camas de lavado, que a  gaja não vem há dois dias, parece que está com uma merda de varizes, e já me telefonou  a contar que o doutor lá do centro de saúde não sei quê, agora só para a semana, senhora dout...,  mas entretanto fiquei sem bateria e parti-lhe a merda dos boiõezinhos todos.


 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D