Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

A inveja, o patinho feio dos pecados capitais

por Vieira do Mar, em 24.09.09

A inveja é a desgraçadinha-mor de todos os defeitos, quase pior do que possuir-se impulsos homicidas ou sexuais impróprios. Nunca ninguém admite que é invejoso. Se repararem, naqueles questionários aos famosos, quando lhes perguntam qual é o seu maior defeito, nunca ninguém diz sou um grande cretino ou um grande invejoso, não. No máximo, sou muito teimoso/a, e quanto a defeitos estamos conversados. Já o contrário é mais comum, toda a gente se apressa sempre a esclarecer que não é nada, mas mesmo nada, invejosa, e que só quer o bem-estar e o progresso do seu semelhante. Ora, todos sabemos que isto é uma grande mentira porque todos somos, em maior ou menor medida, invejosos. Eu, por exemplo, invejo basicamente uma coisa: os que viajam. Se a minha melhor amiga me disser que vai durante um mês fazer uma viagem de descoberta espiritual ao Tibete, eu respondo-lhe, com um sorriso amarelo, Ai sim?, que bom para ti!, mas lá no fundo desejo-lhe que no dia da partida haja uma greve total dos controladores aéreos. Total e permanente, já agora. Isto de ter os pés pregados quase 365 dias por ano ao solo pátrio é uma cruz demasiado pesada para se carregar, pelo menos para mim. É claro que depois passa e acabo por me despedir dela cheia de bons sentimentos (ou pelo menos, de sentimentos médios, vá lá). O problema da inveja é que é um pecado capital prolixo em nuancezinhas; não é por exemplo, como a gula. Neste caso, a gente quer comer para além da conta porque somos alarves, ponto (por acaso, também sofro deste defeito, mas isso é outra história). Ou como quem diz que sofre  de luxúria: no mínimo, ainda se torna mais atraente aos nossos olhos e faz-nos querer ficar com o seu número de telemóvel. Na inveja, a sua qualidade,  intenção e  força estão directamente relacionadas com a posição social e com o nível cultural do invejoso. Uma funcionária pública de segunda categoria, por exemplo, que ganha pouco mais do que o salário mínimo e vive num T2 na Rinchoa, pode invejar de morte as botas Fly (colecção Outono-Inverno) da sua "chefe"; já esta, uma solitária divorciada, pode invejar o rame rame familiar infernal  da sua funcionária, em especial aquele marido que, apesar da barriguinha proeminente, parece fazer-lhe todas as vontades e a trata por querida. Um historiador pode invejar um livro raríssimo e antigo, escrito numa língua morta que não interessa a 99% da população, que um mecenas novo-rico adquiriu num leilão;  um condutor da carris, o colega reformado que vive numa quintarola no campo embrenhada no silêncio, uma candidata a famosa, as mamas novas de uma outra candidata a famosa, e os seus repentinos quilos a menos; uma mulher sem filhos, os afectos vibrantes da mulher com um bebé sentada ao seu lado num banco de jardim; uma mãe assoberbada, o silêncio e a paz que rodeiam a mulher solteira que lê um best seller sentada na relva. A questão é: até que ponto invejamos o outro? ao ponto de querermos para nós aquilo que ele tem e de sermos capazes de o prejudicar por isso? Ou a inveja da maior parte das pessoas não passa de uma inveja de deixa andar, uma inveja de encolher os ombros e siga a vida? Assim é (sim: sou optimista e boazinha como a Floribela). Felizmente, a maior parte das vezes que invejamos alguém, fazemo-lo a prazo, só durante um bocadinho é que quereríamos aquilo que a outra pessoa tem; na verdade, não trocaríamos de lugar com ela nem lhe roubaríamos o que cobiçamos com a alma subitamente faiscante de raiva. Eu, mesmo podendo, nunca iria um mês para o Tibete porque não aguentaria estar tanto tempo separada dos meus filhos. Só se não tivesse filhos, e isso deixar-me-ia seguramente mais infeliz do que nunca ter saído do bairro onde nasci em 41 anos de vida. A influência da inveja na nossa vida é tão menor quanto maior for a nossa satisfação com aquilo que, efectivamente, temos - e que não precisamos de cobiçar. Em contrapartida, é um sentimento tanto maior e corrosivo quanto mais as nossas vidas forem amargas e rançosas. Agora, que invejar  faz parte da natureza humana, não me lixem que faz.  Ao contrário dos outros animais (ditos irracionais), o conhecimento que temos do passado, do  presente e a possibilidade de prognose do futuro, contribuem para que nunca estejamos satisfeitos e almejemos sempre a  mais, sendo que o mais muitas vezes está na  posse do vizinho do lado, o que é uma chatice, convenhamos. Normalmente passa. Mas  motiva-nos para, por nós, conseguirmos ter o mesmo,  ou ainda  mais e melhor do que o mais do vizinho. Enquanto motor para a realização pessoal do invejoso, a inveja inconsequente e momentânea para com o invejado até  pode ser uma coisa boa. Dito isto,  vou agora ali matar a minha vizinha e roubar-lhe o Mercedes 190 SL de 1960 que acabou de guardar na garagem, a puta. E, de caminho, mato também todos os bloggers que escrevem melhor do que eu e que já publicaram livros. No mínimo, rogo-lhes uma pragazinha egípcia, pronto.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D