Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

...

por Vieira do Mar, em 30.01.08
I do declare



there were times when I was so lonesome I took some confort there...

...

por Vieira do Mar, em 30.01.08
I do declare



there were times when I was so lonesome I took some confort there...

...

por Vieira do Mar, em 29.01.08
O que aconteceu depois

pouco importa. Era previsível que o tempo ficasse suspenso e que o tal micro coiso segundo não se esgotasse assim, como na vida. E (já que quiseste saber) a parcela de tempo em que tudo supostamente mudou mantém-se ainda suspensa, como uma lua teimosa, sem saber se há-se minguar ou crescer nem se, ao crescer, vai iluminar as sombras que as pontas mais recônditas no canto dos dedos lançam nas paredes da casa. Um prado de dedos ao vento, para cá e para lá, à espera de que alguém os apanhe na altura certa, os aperte e os misture noutros dedos, debulhando-os. Disse-te que era até ficar só o Amor (a parte que se aproveita), mas não sei se será bem assim. O silêncio que se seguiu infectou os gestos dos envolvidos; espadas que impendem, condicionantes e anátemas, de repente parece que ficou de chuva. No fundo, vontade nenhuma de voltar atrás nem de dar o dito pelo não dito e a certeza de que, cedo ou tarde, o atrevimento (ou a inconsciência, em dependendo do ângulo) dará os seus frutos. No entretanto, arrepiar caminho só para que a rejeição nos pouse leve e nos faça até rir porque já sabíamos, triunfantes com a nossa própria previsibilidade. Não há hipótese porque eu determinei que assim fosse, estava apenas a pôr o destino (agora chamo-o assim) à prova, a queimar os dedos. Sorrimos, encolhemos os ombros, contamos para dentro os mortos e feridos e o tempo retoma enfim a sua marcha (e nós, a nossa). Dos danos colaterais que a explosão que esses dedos (as pontas mais soltas da pele dos dedos, onde mal afloram os sentidos) provocaram, se calhar nunca saberemos.

...

por Vieira do Mar, em 29.01.08
O que aconteceu depois

pouco importa. Era previsível que o tempo ficasse suspenso e que o tal micro coiso segundo não se esgotasse assim, como na vida. E (já que quiseste saber) a parcela de tempo em que tudo supostamente mudou mantém-se ainda suspensa, como uma lua teimosa, sem saber se há-se minguar ou crescer nem se, ao crescer, vai iluminar as sombras que as pontas mais recônditas no canto dos dedos lançam nas paredes da casa. Um prado de dedos ao vento, para cá e para lá, à espera de que alguém os apanhe na altura certa, os aperte e os misture noutros dedos, debulhando-os. Disse-te que era até ficar só o Amor (a parte que se aproveita), mas não sei se será bem assim. O silêncio que se seguiu infectou os gestos dos envolvidos; espadas que impendem, condicionantes e anátemas, de repente parece que ficou de chuva. No fundo, vontade nenhuma de voltar atrás nem de dar o dito pelo não dito e a certeza de que, cedo ou tarde, o atrevimento (ou a inconsciência, em dependendo do ângulo) dará os seus frutos. No entretanto, arrepiar caminho só para que a rejeição nos pouse leve e nos faça até rir porque já sabíamos, triunfantes com a nossa própria previsibilidade. Não há hipótese porque eu determinei que assim fosse, estava apenas a pôr o destino (agora chamo-o assim) à prova, a queimar os dedos. Sorrimos, encolhemos os ombros, contamos para dentro os mortos e feridos e o tempo retoma enfim a sua marcha (e nós, a nossa). Dos danos colaterais que a explosão que esses dedos (as pontas mais soltas da pele dos dedos, onde mal afloram os sentidos) provocaram, se calhar nunca saberemos.

...

por Vieira do Mar, em 29.01.08
Lembrar a PIDE é sempre bom, para que não se esqueça – e associá-la a algo de que não gostamos, parece-me óptima ideia (...).



Diz, com toda a razão, o Pedro.

...

por Vieira do Mar, em 29.01.08
Lembrar a PIDE é sempre bom, para que não se esqueça – e associá-la a algo de que não gostamos, parece-me óptima ideia (...).

Diz, com toda a razão, o Pedro.

...

por Vieira do Mar, em 29.01.08


If you say anything right now, I´ll believe it.

...

por Vieira do Mar, em 29.01.08


If you say anything right now, I´ll believe it.

...

por Vieira do Mar, em 29.01.08
retiro o que disse

O episódio de hoje (do house) foi fabuloso.

...

por Vieira do Mar, em 29.01.08
retiro o que disse

O episódio de hoje (do house) foi fabuloso.

Pág. 1/6

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D