Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

...

por Vieira do Mar, em 12.10.06
volver


O Almodovar vicioso, corrosivo, mas também ingénuo, de Atame! e de Negros Habitos, por exemplo, deu lugar ao Almodovar mainstream, apontado que nem uma seta a Hollywood e aos Óscares. É agora um tipo que faz filmes, literalmente, para inglês ver. Como resultado, parece que passou a sentir-se na obrigação de os explicar tintim por tintim, para que os burros dos americanos os percebam e com isso tornou-se, basicamente, um chato. Já para não falar na nítida sensação do vamosdarlhesoqueelesquerem. Não que eu tenha alguma coisa contra os realizadores mainstream; aliás, são os meus favoritos, já que eu sou mocinha pouco alternativa; mas oponho-me terminantemente ao tédio. O tédio é uma maçada; às vezes, chega a ser uma chatice. Por isso, quando começo a mudar de posição na cadeira, a olhar para o relógio e a pensar no jantar do dia seguinte, está feito o veredicto: boooring. É claro que a história está engraçada e o argumento, original, como sempre. Mas, apesar da magnífica Penélope Cruz e das suas não menos magníficas maminhas (como diria Paulo Portas na sua crónica no Sol) e de alguns momentos geniais, como o velório da Tia Paula ou a Agustina no talk show, o filme é, no seu conjunto, um bocado desequilibrado, ou seja, não é lá muito bom. É só bonzito, vá. Há situações claramente metidas a martelo, como a parte do restaurante (para que não nos restem dúvidas de que Raimunda é a verdadeira mãe coragem) ou o inefável momento musical; como se Almodovar estivesse preocupado em deixar no filme a marca “Almodovar”, como se fosse um discípulo de si próprio e da “escola” que criou. Como consequência, o trabalho de montagem está longe de ter sido perfeito e a história não corre fluída, como era hábito nos filmes anteriores a Todo.... Por outro lado, as personagens secundárias, habitualmente coloridas, excêntricas, marginais, vêem-se aqui reduzidas a uma maçadora Agustina, uma inconsistente Sole e uma tonteca Irene. Vale a pena o dinheiro do bilhete? Claro que sim. Mas deixem-me que vos diga: redunda num pequeno tédio, quando aos bons artistas (sim, porque o rapaz é um bom artista, lá isso) lhes dá para se começarem a imitar a si mesmos, simplificando a mensagem por forma a angariarem uma maior e mais abrangente empatia para com a sua obra. Mas isto sou eu e a minha opinião: esquisita. Ah! Fiquem até ao fim: o genérico final é um mimo de estética kitsch.

...

por Vieira do Mar, em 05.10.06
andava há meses

à procura desta música, uma das minhas favoritas de sempre da MPB. É do Gonzaguinha, de que já falei aqui (embora não me lembre quando). Sei que há melhores, mais geniais e mais elaboradas, mas esta toca-me especialmente, quase desde miúda, quando ainda não sabia muito bem que era o amor, nem exactamente o que era ser mulher. Não sei se é pela voz da Simone, que canta com um sentido da inevitabilidade que me agrada, ou por me ter acompanhado numa fase pletórica, como foi a do fim da minha adolescência. Por ter sido uma das minhas primeiras descobertas brasileiras, tenho com Simone uma relação sentimental (embora ela, naturalmente, não o saiba). A verdade é que há uma versão da Alcione que já podia ter posto aqui, mas não é a mesma coisa: esta música não pede faca e alguidar nem choro e ranger de dentes; vejo-a sobre factos, não sobre hipóteses (como se falasse a verdade dos números), pelo que fica melhor se cantada com uma tristeza contida, afinal, quase alegre, pela constatação de liberdade/libertação que, no fundo, contém. Sim, eu entendo-a quase alegre; não é, por exemplo, como Olhos nos Olhos, de Chico Buarque, cuja melodia desmente as palavras e transmite o desalento triste da rejeição. A versão que agora ouvem não a consegui em nenhuma das colectâneas cá à venda nem em downloads na net. Hoje, por acaso, encontrei um CD na Fnac, era o único e abarbatei-o logo. Curiosamente, quando entrei no carro e a pus a tocar, uma vez e outra e outra, tive uma nítida sensação de deja vú; de repente veio-me à cabeça que, há cerca de vinte anos atrás (tantos?), também não era capaz de a ouvir só uma vez: para canção tão perfeita, sempre a achei demasiado curta. Hoje, como então, a cada vez que a ouvia fui aumentando o volume, a emoção e a gritaria; por fim, lá pela quinta repetição, a condução tornou-se perigosamente instável porque o e daiiiiiiií saía-me já a plenos pulmões, os olhos fechados de gozo. Não foi só um regresso ao passado, foi mais do que isso porque acho que só agora entendo verdadeiramente a letra. Levei cerca de vinte anos para perceber que o amor vale pouco, se não for acompanhado da sensação de pertença.

...

por Vieira do Mar, em 05.10.06
andava há meses

à procura desta música, uma das minhas favoritas de sempre da MPB. É do Gonzaguinha, de que já falei aqui (embora não me lembre quando). Sei que há melhores, mais geniais e mais elaboradas, mas esta toca-me especialmente, quase desde miúda, quando ainda não sabia muito bem que era o amor, nem exactamente o que era ser mulher. Não sei se é pela voz da Simone, que canta com um sentido da inevitabilidade que me agrada, ou por me ter acompanhado numa fase pletórica, como foi a do fim da minha adolescência. Por ter sido uma das minhas primeiras descobertas brasileiras, tenho com Simone uma relação sentimental (embora ela, naturalmente, não o saiba). A verdade é que há uma versão da Alcione que já podia ter posto aqui, mas não é a mesma coisa: esta música não pede faca e alguidar nem choro e ranger de dentes; vejo-a sobre factos, não sobre hipóteses (como se falasse a verdade dos números), pelo que fica melhor se cantada com uma tristeza contida, afinal, quase alegre, pela constatação de liberdade/libertação que, no fundo, contém. Sim, eu entendo-a quase alegre; não é, por exemplo, como Olhos nos Olhos, de Chico Buarque, cuja melodia desmente as palavras e transmite o desalento triste da rejeição. A versão que agora ouvem não a consegui em nenhuma das colectâneas cá à venda nem em downloads na net. Hoje, por acaso, encontrei um CD na Fnac, era o único e abarbatei-o logo. Curiosamente, quando entrei no carro e a pus a tocar, uma vez e outra e outra, tive uma nítida sensação de deja vú; de repente veio-me à cabeça que, há cerca de vinte anos atrás (tantos?), também não era capaz de a ouvir só uma vez: para canção tão perfeita, sempre a achei demasiado curta. Hoje, como então, a cada vez que a ouvia fui aumentando o volume, a emoção e a gritaria; por fim, lá pela quinta repetição, a condução tornou-se perigosamente instável porque o e daiiiiiiií saía-me já a plenos pulmões, os olhos fechados de gozo. Não foi só um regresso ao passado, foi mais do que isso porque acho que só agora entendo verdadeiramente a letra. Levei cerca de vinte anos para perceber que o amor vale pouco, se não for acompanhado da sensação de pertença.

...

por Vieira do Mar, em 05.10.06
feriado.


...

por Vieira do Mar, em 05.10.06
feriado.


...

por Vieira do Mar, em 04.10.06
este blogue


é como certas barbearias.

...

por Vieira do Mar, em 04.10.06
este blogue


é como certas barbearias.

...

por Vieira do Mar, em 04.10.06

...e, a propósito de séries de tv,

uma referênciazinha a NIP TUCK, que passa actualmente na FOX - não tão boa como Carnivàle, mas, mesmo assim, muito boa. Eu confesso que o meu raciocínio, em relação à excelência, ou não, desta série, se mostra um bocadinho toldado. E Porquê? Porque, quando a vejo, fico sempre sob o efeito poderosíssimo da sexualidade avassaladora de Julian McMahon, o angustiado e egocêntrico Christian Troy. Desculpem lá isto dos adjectivos repetidos, mas a superlatividade erótica deste homem tira-me da contenção e do sério e desperta a groupie adolescente que há em mim, ou seja, uma incontrolável vontade de suspirar, arrancar cabelos (talvez, até, de gritar um bocadinho) e de me oferecer para sua escrava. É, sem sombra de dúvida, the sexiest man alive. E é mais do que isso.

...

por Vieira do Mar, em 04.10.06

...e, a propósito de séries de tv,

uma referênciazinha a NIP TUCK, que passa actualmente na FOX - não tão boa como Carnivàle, mas, mesmo assim, muito boa. Eu confesso que o meu raciocínio, em relação à excelência, ou não, desta série, se mostra um bocadinho toldado. E Porquê? Porque, quando a vejo, fico sempre sob o efeito poderosíssimo da sexualidade avassaladora de Julian McMahon, o angustiado e egocêntrico Christian Troy. Desculpem lá isto dos adjectivos repetidos, mas a superlatividade erótica deste homem tira-me da contenção e do sério e desperta a groupie adolescente que há em mim, ou seja, uma incontrolável vontade de suspirar, arrancar cabelos (talvez, até, de gritar um bocadinho) e de me oferecer para sua escrava. É, sem sombra de dúvida, the sexiest man alive. E é mais do que isso.

...

por Vieira do Mar, em 04.10.06
atenção! parem as máquinas!

Às quintas, pelas 23 horas, na SIC Radical, a primeira temporada de Carnivàle.


Por isso, para quem ainda não experimentou o murro no estômago, seguido de falta de ar e taquicardia, que é assistir à melhor série televisiva dos últimos anos, é agora ou nunca. Se fosse eu, não aguentava a coisa às mijinhas, digo-vos já. Ia ali à FNAC comprar a primeira série e devorava os episódios todos de seguida (esperem!, foi o que fiz...). Depois, corria à Amazon e comprava a segunda série e, como esta minha ainda maior, enorme, superlativa e extra querida, se calhasse a ser da zona um ou lá o que é, papava-a à alarve no computador, mesmo que à rasca das cruzes e com os olhos em bico. Afinal, ele há coisas que não podem esperar. A luta entre o Bem e o Mal é uma delas.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D