Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

ergue a mão encontra hera e vê que ele mesmo era a princesa que dormia *

por Vieira do Mar, em 13.05.09

E então ela quis abraçá-lo, abraçá-lo e dizer-lhe que estava tudo bem, que ficasse com ela que tudo se comporia. Um disparate, claro, não só ele não poderia ficar com ela, como ela lhe faria a vida negra, se ficasse. Aliás, nenhum dos dois faria bem um ao outro, se decidissem partilhar a cama por mais do que umas breves horas.  Só funcionavam como remédio para as dores mútuas porque se tomavam em pequenas doses, furtivas e violentas, que engoliam de uma vez e que lhes iam sobrando para os  dias seguintes. Ela sempre se achara mais ansiosa por chegar a qualquer lado e via-o a ele no mesmo sítio, naquele patamar de sentimentos bem resolvidos onde estagnara depois da cacofonia sensorial que fora o enamoramento súbito e a deliciosa canalhice das vias de facto. Mas no fundo sabia que era exactamente o contrário:  que corria para lado nenhum,  presa dos seus fantasmas vivos, enquanto ele esperava que ela o salvasse, de algum modo inesperado e inventivo, como se o inverso de um conto de fadas. Toda a incerteza que sempre sentira quanto ao que a faria feliz, mirrara-lhe um bocadinho  a alma e tornara-a frágil aos olhos de quem achava conhecê-la.  De certo modo era verdade, essa fraqueza. Nunca gostara de deixar nada para trás e talvez fosse por isso que, mesmo sabendo que ele nunca seria seu, tinha  vontade de o embalar com uma definitividade precisa e rigorosa,  como aquela com  que os cumes montanhosos se recortam contra o céu e o rasgam,  nas tardes alaranjadas de Verão.  A necessidade de o ter no colo era tal  que parecia  serradura no estômago,   ela agoniada e seca, sem notar que o aparente altruísmo de o consolar era na verdade o desejo egoísta de sentir mais uma vez a clandestinidade da sua pele na dele, ao arrepio da ordem natural das coisas e dos seus horários. Também ainda não percebera porque é que por vezes lhe parecia  que ele se poderia partir em dois ou mesmo desmoronar;  ele era  uma fortaleza alcandorada a um ponto estratégico qualquer de onde podia ver tudo e saber de todos  (em especial dela),  seguro e controlado, parcimonioso na desmesura da entrega e regrado  nos impulsos mais básicos. O tipo de homem que cai de pé.  No entanto imaginava-o a implodir, uma ruína de pedras e canhões ao mar, indefeso  a deixar-se invadir e espoliar, e ela a aproveitar o saque e a açambarcá-lo  de modo eficazmente parasita. Ia no entanto fazendo de conta que não via as frinchas nas paredes grossas, que só ela é que os contrafortes meio partidos, as ameias demasiado  largas e os flancos demasiado expostos.  Que ela a mulher de conveniência, a qualquer hora do dia ou da noite. Não se importava que fosse essa a implícita combinação entre eles, nada nunca era o que parecia e a sua disponibilidade, temerária e arrojada, a roçar a inconsciência, era na verdade um modo desastrado de lhe pedir desculpa pela cobardia que a impedia de o salvar e ao mesmo tempo de se resgatar a si mesma,  como ele lhe pedia que fizesse, gritando-lhe  o seu silêncio fortificado.

 
* Fernando Pessoa, mais ou menos de cor e sem pontuação

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2005
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2004
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D