Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

ciganas

por Vieira do Mar, em 23.05.14

Mãe e filha entram descontraidamente na sala de audiências, acompanhadas da técnica dos serviços sociais, que não lhes devota qualquer simpatia. A mais velha, cerca de quarenta anos,  tem uma tez farruscada e um olhar azul profundo de marianas; a mais nova, de quinze, por aí, tem um cabelo louro comprido e oxigenado, e as unhas azul turquesa lascadas. Traz consigo uma recém-nascida, invisível e silenciosa, encolhida num ovo tapado por um cobertor enfeitado com purpurinas. A mãe mais velha tem a mama de fora e alimenta sem pudor uma bebé de nove meses, gorducha e risonha, igualmente farruscada, mas de olhos azuis mais claros, que brilham como safiras. É tal a naturalidade que o Tribunal nem repara e, quando o faz, releva e segue a diligência como se nada fosse. A bebé, de lacinho branco agarrado em desespero ao cabelo ralo, atrai todos os olhares, o instinto a sobrepôr-se ao preconceito, um nato, outro construído, porque mulheres somos todas, mães, quase todas, mãe una, mãe terra. A técnica contrasta com elas, a pele macilenta e um olhar baço de enfado, num desprezo mal contido por aquela gente barulhenta, mal vestida e alegre. Fixa o tédio nos papéis que tem no colo, indiferente ao sorriso aberto ao seu lado, onde despontam já dois dentes de leite. É nova e magra, mas de um magro chupado das canetas, e tem o ar resignado e curvado dos velhos. Enoja-a o acto primário e primordial a que assiste, contrariada, mas aguenta-se, cumprindo sofrivelmente o seu dever de assistir os outros. A criança larga a mama da mãe, que pende, ainda cheia e redonda, e insiste em pôr-se de pé, numa dança só dela, enquanto cospe a chupeta para o chão e resmunga, a estranhar o facto de cada um falar à vez, o que se parece muito ao silêncio. A loura, irmã mais velha, apanha a dita do chão e, sem a limpar, despeja-lhe umas gotas de um xarope açucarado que a miúda suga gulosamente. O pressuposto é que existe uma criança em risco: a cigana loura, que pariu aos quinze e casou aos catorze. Ali, trata-se de protecção e não de crime, pelo que a solução passa pelo apoio da família, ou seja, da mãe, que tem mais oito filhos e se compromete a ajudar a filha com a neta, que continua no seu sono invisível. Sorri, contente com o alargamento da família, com a filha da filha e com a sua outra filha de nove meses; a mama chega pra todas, onde cabem oito, cabem nove ou dez. Ninguém sabe o que está ali a fazer. Porque razão é preciso homologar qualquer acordo que seja. Por que razão têm ambas que entender o que significa "homologar" e o que raio é o "supremo interesse da criança". O clã ajuda-se e protege-se, sempre assim foi e será. Repetem uma espécie de juramento, um compromisso sem nexo que as obriga a cumprir, perante o Tribunal, certas condições, obrigações de facere, que lhes são irrelevantes porque lhes saem naturais desde o início dos tempos. Findas as formalidades, a mais velha levanta-se e ajeita o laço em queda na cabeça da filha pequena;  retiram-se com espalhafato, a miúda de nove meses a dizer adeus a todos os presentes, acenando a mãozita suja e descoordenada. Vieram em passeio à cidade, conheceram o tribunal e o juiz, disseram a tudo que sim, como lhes ordenou a assistente social, e agora vão para casa. Fazer o que sempre fizeram. A técnica regressa ao trabalho forçado no terreno, a fungar de alergias, das primaveris e das outras. Sofre de rinites e de contra-senso, pois tem um coração novo que aos poucos se desfaz num azedume precoce.

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D