Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

o rancor do rústico

por Vieira do Mar, em 07.02.08
O inenarrável Moita Flores persiste nas prestações televisivas carregadas daquele seu inexplicável rancor contra os McCann. Hoje, na SIC, parecia o taxista de Rogério Alves. Este, ao lado, transpirava inteligência e pedigree jurídico. Moita Flores é um rústico, mas um rústico perigoso, que fala ao coração do povo e o acicata. E o povo, já se sabe, quer sangue e quer que aqueles pais sejam culpados de, com um bocadinho de sorte, terem infligido uma morte o mais atroz possível à filha. O povo é assim e Moita Flores é, ele próprio, muito povo (e até um bocadinho mais). Aquele ar desdenhoso de quem conhece os misterious ways da polícia judiciária, de quem sabe  das obscuras razões da culpabilidade dos Mc Cann mas não diz. Só que não sabe nada. É um balofo, que se limita a verbalizar uma raiva estranha e mal-contida contra gente que não conhece de lado nenhum - e a verbalizá-la mal. Além disso, tem um emprego: é Presidente de uma Câmara que deve dar algum trabalho, a de Santarém, pelo que não percebo como consegue estar nos estúdios da  televisão, pelo menos, duas vezes por semana, de manhã (segundo me contou uma insuspeita cabeleireira), em pleno horário de expediente, a vomitar postas de pescada para domésticas deslumbradas e reformados desatentos. Portanto,  Moita Flores, presidente da Câmara de Santarém, faz da luta contra o casal McCann uma espécie de modo de vida e, pelos vistos, pagam-lhe para isso. Não se aplicará aqui uma qualquer lei das incompatibilidades? Uminha? Não haverá aqui um artiguinho,  um só, que se aplique a esta bandalheira e o pulverize de vez, legítima e legalmente, para fora dos ecrãs? Ou então, pronto, está bem: bastava-me que um munícipe scalabitano descesse a Lisboa, lhe enfiasse um bom pontapé no rabo e o recambiasse para casa, a ver se ele fazia qualquer coisa e animava aquela cidade, que francamente parece um túmulo.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D