Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

...

por Vieira do Mar, em 17.11.06
grunhos e meiguice


No outro dia, fiquei sem gasolina a meio da Calçada de Carriche, na subida, na via do meio e à hora de ponta. Depois de amaldiçoar tudo o que tem pernas e mexe, chamei o meu ACP privado, ou seja, o meu paizinho, enverguei aquele magnífico colete que nivela todos os portugueses por igual e por baixo, pus o triângulo nos regulamentares, quê?, trinta metros?, e sentei-me envergonhadamente no carro sem querer olhar a fila de trânsito que me precedia e que, por então, já chegava à Malveira. Certo é que a ajuda não chegava e, para todos os efeitos, quem me visse ali naquele colete infernal, a roer as unhas e a bufar de raiva, com os piscas ligados e um triângulo à distância regulamentar, presumiria que o carro se teria... avariado, certo? Certo. Mas nem isso impediu que, ao passarem por mim, os tugas e as tugas periféricos, suburbanos e maioritariamente desfavorecidos, me gritassem os piores impropérios. Enquanto os camionistas me gabavam a anatomia (que podia ser a de um ananás: seria sempre gabável e motivo de grande diversão), os outros chamavam-me de puta para baixo e mandavam-me andar. Juro, mandavam-me andar, como se eu tivesse parado ali, no sítio mais feio de Lisboa e arredores que conheço, para um piquenique. Não um, nem dois, nem dez: dezenas de grunhos e grunhas a chamarem-me nomes e a dizerem-me que avançasse. Parece que estaria a empatar o trânsito. Ainda não havia reparado... Para cúmulo, quando já pensava que a ajuda paterna havia sido engolida por tubarões geneticamente modificados, começo a ver, pelo retrovisor, os carros a acelerarem na subida e a virem perigosamente contra a traseira do meu. Alguns paravam a centímetros do pára-choques, a pedirem a minha cabeça, indignados. E eu, mas que merda, o triângulo deve ter caído. Saio do carro, avanço pela turba furiosa que pede o meu linchamento e reparo que o triângulo... foi furtado! Sim, alguém, enquanto me chamava de cabra rica, vingava-se finalmente da injustiça de ter nascido na base da pirâmide social, e acrescia à minha humilhação o prejuízo económico e o perigo de vida. Foi um bonito e encantador momento de Portugal real, que fez com que o que me aconteceu ontem até tivesse sido querido e me tivesse dado vontade de convidar o meu inimigo estradal para um café: a caminho de uma rotunda, um beto no seu inevitável suv tentava fazer qualquer coisa com o telemóvel (talvez algo difícil, como marcar) e andava de faixa em faixa, não me deixando ultrapassá-lo (para não variar, eu estava com pressa). Depois de uma chuva de máximos, lá consegui passar-lhe à frente, com uma gazada súbita e entrei logo na primeira à direita. Pois parece que ele queria ir em frente para a segunda saída, não pode e não gostou, porque estava na faixa de fora e, se seguisse rotunda fora, batia-me. Fez uma travagem, todo assustado, coitado, disse-me umas coisas com o vidro fechado e eu mandei-o pastar. Obrigado a cortar igualmente à direita, parámos lado a lado no sinal. Aí pelos trinta anos, o cabelo amarelo à Herman, num estilo Gant que lhe caía bem e quase de certeza um dos participantes no blogue do não, o beto começou a minha evangelização: que não devia tê-lo ultrapassado, que tinha criado uma situação de perigo (eu?!) e iadaiadaiada. Chateada que nem um peru e sem vontade de lhe explicar que fora o seu comportamento errante e a merda da inabilidade para carregar botões que haviam provocado a coisa, mandei-o novamente dar uma curva, ir pastar, caçar gambuzinos, dar uma volta ao bilhar grande, experimentar um novo tom para o cabelo... Entretanto o sinal fica verde, eu a prepar-me para aquele impropério final e cobarde que a gente dispara antes de arrancar e ele, A menina estava a precisar de umas palmadas, ai estava, estava! Confesso que fiquei sem fala. A perspectiva de um bondage sadomaso meiguinho com o beto de cabelo amarelo, o carinho quase paternal que senti no castigo proposto... quebraram-me completamente as defesas e fizeram-me ver o conflito estradal a toda uma nova luz. E, lá está: apeteceu-me convidá-lo para um cafezinho e até pôr-me de certa forma a jeito...

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2004
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D