Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

quando quase me esqueci de ser puta*

por Vieira do Mar, em 09.11.12

Lembro-me vagamente de me abordares. Já tinha snifado uns riscos para aguentar alegre o pesadelo de mais uma noite. E bebido uns copos, também, com as minhas colegas de desgraça, irmãs de sangue, abalançados com uns tremoços na tasca da esquina, a esquina onde atacamos, antes de sermos atacadas. Tinhas no olhar um desespero de fome que me meteu medo e que ao mesmo tempo quis decifrar, para ver se igualava o meu. Levavas uma garrafa de whisky na mão como se agarrasses um filho pequeno a atravessar a rua, e tinhas um pequeno corte num dos dedos, que não soubeste explicar. Meti conversa a ver se me te vendia, mas estavas incoerente e agreste, ao mesmo tempo que me enrolavas os cabelos louros com o dedo ferido. Tive pena de ti. E tesão. Pelo teu ar despenteado, pela barba por fazer, pelo teu olhar além, no infinito das coisas. Perguntei-te onde moravas e acompanhei-te a casa com a bondade de uma freira, esperançosa de que não tivesses bebido tanto que não o conseguisses pôr de pé. Tirei folga de mim própria, naquela noite não queria dinheiro, queria mergulhar mais e mais no nada, mais do que quando era esbofeteada e a minha cabeleira oxigenada arrastada por camas piolhosas, por clientes sem cara. Pareceste-me então o parceiro ideal para a escuridão. Fomos bebendo pelo caminho, apoiando-nos um no outro, e quando chegámos a tua casa despimo-nos como se a roupa que trazíamos fosse radioactiva, atirada para um canto, para desinfecção. Investiste contra mim com as dores de todos os mártires pulsando em ti; ambos perdidos, tresmalhados, à procura de um bocadinho de alma nos recantos molhados do outro. É claro que nada encontrámos. Eu, como sempre, fingi que te amava e que me vinha – só assim suporto o que faço, o que me fazem – e acariciei-te os caracóis como uma noiva, quando adormeceste enroscado numa qualquer parte sufocada do meu corpo gasto. Pouco tempo depois, como se o inconsciente nos mostrasse a verdade, demo-nos as costas e afastámo-nos para cada canto da tua cama. Quando acordaste e te ouvi pegar na garrafa e emborcar o que dela  restava, fingi-me dormida. Sóbria e ressacada, senti nas minhas costas o sopro do teu coração gelado e nem me atrevi a mexer. Só quando ouvi a tua respiração pesada me levantei e, pé ante pé, enfiei desastradamente a minha roupa barata e saí sem bater a porta. Nas escadas, pensei: “Foda-se, podia ter-lhe roubado a carteira”. 

 

*para um amigo

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2004
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D