Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

...

por Vieira do Mar, em 19.03.07
Para os que não ouviram a entrevista que dei a Pedro Rolo Duarte na Antena 1, no domingo, dia 18/03/2007 e que pode ser ouvida em http://multimedia.rtp.pt/index.php?rcanal=1, resumo telegraficamente o motivo do meu longo interregno: acidente grave, carrinho para a sucata, três horas de desencarceramento, duas costelas partidas, não sei o quê na pleura, hematoma no baço, traumatismo craniano (vinte pontos na cabeça) e… acho que é tudo. É claro que estou como nova, nem poderia ser de outra maneira. Aliás, acho que regresso ainda pior, mais ruim. Ora vamos lá.



A carta do Mantorras



Esta história tem muita piada, garanto-vos. Desde sempre (e ao contrário do que dizem os angolanos) as cartas angolanas não têm validade em Portugal, uma vez que Angola se recusou a assinar a Convenção de Viena sobre Tráfego Rodoviário, documento que rege as normais internacionais de circulação pelo mundo fora. Logicamente, e tratando-se de crime face à lei portuguesa, nas operações stop, angolano detido nestas circunstâncias é levado ao Tribunal de Pequena Instância Criminal Mais Próximo (TPIC), julgado e condenado em pena de multa. O que é engraçado é que esta pequena “revanche” de Eduardo dos Santos é a prova provada de que não basta ter cursos e usar-se fatos Armani para se ser civilizado. É claro que, não tendo ratificado qualquer convenção, nas estradas angolanas vive-se o regabofe total, e toda a gente conduz, por entre a corrupção às claras e a precariedade da legislação. Ou seja: não há lei que impeça os portugueses de lá conduzirem, o que eles fizeram até agora - parece que, entretanto, foi feita uma à pressa. E porquê? Porque o ícone máximo daquele país de treta, o aleijadinho sem sorte do Mantorras, teve o azar de ser “apanhado”, como centenas de outros jovens angolanos o são diariamente, pagando as suas multas seguramente com muito mais dificuldade do que o ídolo. Agora, ainda mais engraçado: imaginem um país à beira-mar plantado, com centenas de juízes e de delegados que seguem a única solução lógica e juridicamente possível: não ratificou a convenção, a carta não é válida, pronto. De seguida, ficcionem que existe uma pequena comarca com um TPIC que tem duas secções e dois juízos, cada um com o seu juiz e magistrado do Ministério Público. Acontece que um dos juízes (chamemos-lhe o juiz 1) acordou um dia, teve uma epifania e resolveu que, no seu juízo e a partir daquele dia, as cartas angolanas passariam a ser válidas em Portugal. A procuradora-adjunta que com ele trabalha, anuiu na tese peregrina, vá lá a saber-se porquê. A tese desenvolve a ideia mais ou menos estapafúrdia que, como Portugal assinou uma Convenção Rodoviária quando ainda era possuidor das colónias e destas fazia parte Angola, tal convenção também se aplica a Angola. É claro que passamos por cima do facto de Angola ser um país independente, com poder de auto-determinação e assim, apesar de tretoso e corrupto. Resultado prático: Cada juiz está de turno aos presos, semana sim, semana não; ora os polícias já sabem que, trazendo os angolanos ao juíz um e respectivo Ministério Público, aqueles são imediatamente soltos e o processo arquivado de imediato. Aproveitam, então, para fazer as grandes stops, as grandes rusgas, nas semanas do juiz dois, que chega a ter mais de quarenta sumários num só dia. E não há ninguém: o Conselho Superior da Magistratura, os Tribunais Superiores, a PGR - ninguém, que impunha a uniformização da questão. Angola é a República das Bananas, mas Portugal não o é menos, quando os arguidos são julgados de forma oposta graças às epifanias da independente e inamovível judicatura. Afinal, se o Mantorras tivesse sido apanhado na comarca e na semana do juiz um, não haveria notícia; o mesmo teria sido mandado na paz do Senhor e os angolanos não teriam feito a triste figura que andam a fazer, à caça de condutores portugueses. Palhaços. Todos.


Adenda: no Público de hoje vem um artigo de Rui Tavares intitulado “Sim, deixem guiar o Mantorras”. O dito artigo é um cadinho de desinformação, tentativas falhadas de humor e de paternalismo bacoco para com os angolanos. A deteminada altura, surge esta pérola (e eu cito): “ (…) os angolanos não começaram “de um dia para o outro” a confiscar cartas de condução portuguesas. Pelo contrário, fomos nós que, de 31 de Dezembro para 1 de Janeiro, começámos a confiscar cartas angolanas”. Confesso que dei a voltas a isto a ver onde estaria a ironia ou qualquer outra figura de estilo menos perceptível. Não encontrei. Ele quer mesmo dizer aquilo. E está a enganar quem o lê. Rui Tavares: desde sempre que as cartas angolanas são inválidas em Portugal (pelo menos, desde o desmembramento das colónias e da transformação de Portugal num Estado de Direito). Quer sentenças nesse sentido de há quantos anos? Dois, três, quatro? Eu arranjo-lhe. Por favor, que artigo tendencioso, tão cheio de “bocas” e de factos incorrectos. Enfim, que artigo tão mauzinho.


Graças à generosidade de Joana Amaral Dias, temos a pérola jornalística em questão na blogoesfera, aqui.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2004
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D