Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

...

por Vieira do Mar, em 24.08.06
a amiga elsa



Olá. O meu nome é Vieira e, nestas férias, estou viciada na miséria espiritual das celebridades em geral e na da Elsa Raposo, em especial. Eu sei que há muita coisa edificante para ler, para absorver; tantos prémios Pulitzer, Nobel, Pessoa.... Nada. Quando chega a hora do galão com a bola ou da sandocha na praia, só me interessa saber o que anda a aprontar a amiga Elsa. Aquilo que dantes era um passatempo semanal de cabeleireiro, tornou-se, desgraçadamente, uma obrigação quase diária. Até já sei que a VIP sai à segunda, a Lux à terça e a Caras à quarta; corro para a papelaria à procura dela por entre as automotores, as pais e filhos, as melhores dietas, as como deixá-lo louco na cama e os lavores croché. Para quem não está dentro do fascinante drama pessoal da "apresentadora e empresária" (alguém???), um breve resumo: a Elsa, uma rapariga gira muito dada aos homens, aos pós e à bebida, mãe de três filhos pequenos (cuja custódia está entregue ao pai e que têm um ar triste de partir o coração, quando com ela aparecem em funções sociais), ganha dinheiro por aparecer: nas revistas, na televisão, nas festas, nas inaugurações. Durante 15 meses (não brinquem, olhem-me a tristeza do detalhe cronológico), e após a participação numa quinta das celebridades em que aparecia permanentemente desapossada das suas faculdades mentais e de voz entaramelada, a amiga Elsa namorou com o Gonçalo Diniz, um presunto actor, também ele concorrente no lixo televisivo em questão. Acabado o tempo de antena, apressaram-se a exibir a paixão, os carros e os novos projectos empresariais por tudo quanto era revista; ela, com ar de cama requentada e ele, de corno manso (já então). Até aqui, tudo bem, seriam apenas mais um casal patético, a braços com uma associação de conveniência a tresandar a falso, daquelas que dão a cacha em troca do cachê. A coisa só começa a raiar o refluxo gástrico, quando a amiga Elsa vem bolsar para as revistas que gostava de ter mais filhos. Não sei se estão a ver: num país em que a palavra mãe continua a ser a mais linda que o mundo tem, um juiz atribui a custódia ao pai. Ao pai. Mas a rapariga, que aparece quase sempre sem os miúdos e atracada a vários homens por ano, quer ter mais filhos. Sem comentários.

Bom, mas parece que a apresentadora e empresária acabou mesmo por engravidar, supostamente do actor e empresário, mas abortaria espontaneamente logo de seguida. É claro que a dor compungente do casal e o consolo mútuo que se devotaram, foram de imediato capa de muitas revistas (de todas, aliás). Após este desaire comercial (sem bebé, quantas capas de revista se perderam...), o casalinho inscreveu-se numas aulas de surf em Carcavelos e a nossa Elsa, farta de lamúrias mútuas, entusiasmou-se com os bíceps do instrutor, cuja boca resolveu devorar numa esplanada pública. Ora beijava o Çalinho no areal, ora lambiscava o badocha no restaurante por cima do areal, onde por acaso é relações públicas (ser relações públicas é a actual profissão dos invertebrados com um palminho de cara, mamas ou rabo). Pois parece que o pobre Çalinho descobriu a traição quando a viu escarrapachada numa das revistas que já tanto lhe dera de comer e foi para a varanda chorar as mágoas, local onde uma outra dessas revistas (ou seria a mesma?) lhe captou as lágrimas para a posteridade (pelos menos, para as 24 horas seguintes). Seguramente desconhecendo que os fotógrafos estariam à coca (quem diria?), a amiga Elsa apareceu na mesma varanda pouco tempo depois (ou antes, sei lá) com sangue na camisola, um ar desgrenhado e os pulsos enfaixados de uma tentativa de sucídio (digam lá se a minha obsessão não é justificada.)

A improbabilidade da história é tal, de tão deprimente, cretina e patética, que já atingiu contornos de mito urbano, correndo pelo país, em especial pelo submundo das cabeleireiras e esteticistas, várias versões alternativas. Certo é que a amiga Elsa apressou-se a prestar umas declarações exclusivas: que o çalinho era um mauzão que a agrediae que o badocha do surf, esse sim, era um homem a sério, embora o beijo na boca tivesse sido uma cena de amigos, algo muito comum no Brasil e estranho a este nosso Portugal antiquado (e sem poder de encaixe para as Elsas deste mundo, selvagens e livres, com o sexo à flor da pele). O pai do Çalinho, entretanto, veio lançar mais uma acha para a fogueira, afirmando publicamente que o filho, coitado, ia em retiro para o Brasil e que a Elsa se tinha agredido a si própria para o incriminar, a malvadona. Poucos dias passados, e a relação entre Elsa ("visivelmente debilitada") e o badocha dos bíceps "consolida-se cada vez mais", ao ponto de , na VIP desta segunda-feira, aparecerem os dois (ai, que até me custa escrevê-lo...) sentados e abraçados na escadaria do santuário de Fátima, onde foram rezar pelo seu amor. Juro. Rezar pelo seu amor perante Nossa Senhora. Francamente, isto é quase mais ofensivo para os católicos do que dizer que Jesus teve um rancho de putos ranhosos da Maria Madalena... Portanto, socorro! Ajudem-me. Eu bem sei que, ao comprar e ler este lixo, estou a alimentar a descompensada da Elsa, o cornudo do Çalinho , o Badocha emergente e todos os afins que babujam na miséria espiritual, alheados de qualquer verdade, moralidade ou integridade, mas é superior a mim, esta atracção pelo horrível. Eu dantes não era assim, a sério, isto é das férias, só pode ser das férias. Preciso de trabalho, de responsabilidades muito importantes, de prazos para ontem, da chefa a dar-me na cabeça porque da minha competência profissional depende o futuro da humanidade. É que já nem eu mesma me aguento, de tão silly nesta season.


Adenda: quando parece que não é possível descer-se mais baixo, eis que a Elsa consegue surpreender-nos: hoje, a TVMais apresenta-a, "em exclusivo", a ser operada com o fim de retirar a tatuagem com o nome "gonçalo" que terá feito no braço. Aparece na capa com ar de vítima, o braço atrapado e sentada numa cama de hospital. Resisti e não comprei. Embora não pareça, tenho os meus limtes.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D