Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

...

por Vieira do Mar, em 05.10.06
andava há meses

à procura desta música, uma das minhas favoritas de sempre da MPB. É do Gonzaguinha, de que já falei aqui (embora não me lembre quando). Sei que há melhores, mais geniais e mais elaboradas, mas esta toca-me especialmente, quase desde miúda, quando ainda não sabia muito bem que era o amor, nem exactamente o que era ser mulher. Não sei se é pela voz da Simone, que canta com um sentido da inevitabilidade que me agrada, ou por me ter acompanhado numa fase pletórica, como foi a do fim da minha adolescência. Por ter sido uma das minhas primeiras descobertas brasileiras, tenho com Simone uma relação sentimental (embora ela, naturalmente, não o saiba). A verdade é que há uma versão da Alcione que já podia ter posto aqui, mas não é a mesma coisa: esta música não pede faca e alguidar nem choro e ranger de dentes; vejo-a sobre factos, não sobre hipóteses (como se falasse a verdade dos números), pelo que fica melhor se cantada com uma tristeza contida, afinal, quase alegre, pela constatação de liberdade/libertação que, no fundo, contém. Sim, eu entendo-a quase alegre; não é, por exemplo, como Olhos nos Olhos, de Chico Buarque, cuja melodia desmente as palavras e transmite o desalento triste da rejeição. A versão que agora ouvem não a consegui em nenhuma das colectâneas cá à venda nem em downloads na net. Hoje, por acaso, encontrei um CD na Fnac, era o único e abarbatei-o logo. Curiosamente, quando entrei no carro e a pus a tocar, uma vez e outra e outra, tive uma nítida sensação de deja vú; de repente veio-me à cabeça que, há cerca de vinte anos atrás (tantos?), também não era capaz de a ouvir só uma vez: para canção tão perfeita, sempre a achei demasiado curta. Hoje, como então, a cada vez que a ouvia fui aumentando o volume, a emoção e a gritaria; por fim, lá pela quinta repetição, a condução tornou-se perigosamente instável porque o e daiiiiiiií saía-me já a plenos pulmões, os olhos fechados de gozo. Não foi só um regresso ao passado, foi mais do que isso porque acho que só agora entendo verdadeiramente a letra. Levei cerca de vinte anos para perceber que o amor vale pouco, se não for acompanhado da sensação de pertença.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2004
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D