Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

...

por Vieira do Mar, em 12.10.06
volver


O Almodovar vicioso, corrosivo, mas também ingénuo, de Atame! e de Negros Habitos, por exemplo, deu lugar ao Almodovar mainstream, apontado que nem uma seta a Hollywood e aos Óscares. É agora um tipo que faz filmes, literalmente, para inglês ver. Como resultado, parece que passou a sentir-se na obrigação de os explicar tintim por tintim, para que os burros dos americanos os percebam e com isso tornou-se, basicamente, um chato. Já para não falar na nítida sensação do vamosdarlhesoqueelesquerem. Não que eu tenha alguma coisa contra os realizadores mainstream; aliás, são os meus favoritos, já que eu sou mocinha pouco alternativa; mas oponho-me terminantemente ao tédio. O tédio é uma maçada; às vezes, chega a ser uma chatice. Por isso, quando começo a mudar de posição na cadeira, a olhar para o relógio e a pensar no jantar do dia seguinte, está feito o veredicto: boooring. É claro que a história está engraçada e o argumento, original, como sempre. Mas, apesar da magnífica Penélope Cruz e das suas não menos magníficas maminhas (como diria Paulo Portas na sua crónica no Sol) e de alguns momentos geniais, como o velório da Tia Paula ou a Agustina no talk show, o filme é, no seu conjunto, um bocado desequilibrado, ou seja, não é lá muito bom. É só bonzito, vá. Há situações claramente metidas a martelo, como a parte do restaurante (para que não nos restem dúvidas de que Raimunda é a verdadeira mãe coragem) ou o inefável momento musical; como se Almodovar estivesse preocupado em deixar no filme a marca “Almodovar”, como se fosse um discípulo de si próprio e da “escola” que criou. Como consequência, o trabalho de montagem está longe de ter sido perfeito e a história não corre fluída, como era hábito nos filmes anteriores a Todo.... Por outro lado, as personagens secundárias, habitualmente coloridas, excêntricas, marginais, vêem-se aqui reduzidas a uma maçadora Agustina, uma inconsistente Sole e uma tonteca Irene. Vale a pena o dinheiro do bilhete? Claro que sim. Mas deixem-me que vos diga: redunda num pequeno tédio, quando aos bons artistas (sim, porque o rapaz é um bom artista, lá isso) lhes dá para se começarem a imitar a si mesmos, simplificando a mensagem por forma a angariarem uma maior e mais abrangente empatia para com a sua obra. Mas isto sou eu e a minha opinião: esquisita. Ah! Fiquem até ao fim: o genérico final é um mimo de estética kitsch.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2004
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D