Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

...

por Vieira do Mar, em 11.08.06
Mais do que o betão pronto dos patos bravos e do que os manguitos generalizados ao domínio público marítimo e às reservas ecológicas, a verdadeira praga assassina da costa portuguesa, são os parques de campismo.

Durante a infância, tive a imensa sorte de ter tido pais aventureiros que me levaram a conhecer a Europa de tenda às costas e, mais tarde, de roulotte (como então se dizia e usava) Faziam-no por gosto, pela óbvia minimização do stress na procura da pernoita, pela sensação de liberdade que dava o rumo ao desconhecido e, claro, porque saía mais em conta. Durante esses périplos, designadamente pelo norte, lembro-me de parques de campismo que eram um verdadeiro luxo, com instalações sanitárias dignas de um spa e uma vizinhança silenciosa e civilizada, tudo animado de um contacto mais próximo, respeitador e autêntico com a natureza.

Aqui, em Portugal, e durante muitos anos, os parques de campismo foram o reduto de veraneio do pessoal das barracas e do T2 da Rinchoa, o território possível de lazer daquela franja mais desgraçada da sociedade: a que nem sequer almeja aos quinze dias na Quarteira ou Monte Gordo. Paradoxalmente, e porque eram edificados em cima de praias ainda desertas nas franjas das localidades costeiras, acabaram nas zonas mais paradisíacas do país, com os melhores acessos ao areal e as mais bonitas frentes de mar.

Intra muros, no entanto, são uma espécie de visão dos infernos: o reino da chanata e do avental, onde impera o sempiterno cheiro a sardinha e a couratos e se aglomeram as tendas de três quartos com avançado, complementadas com os inefáveis estendal de roupa, televisão e frigorífico (e/ou arca), encimado pelo naperon feito no intervalo da novela. São o exemplo acabado da transumância da periferia mais pobre, com tudo o que esta tem de pior, desde a falta de gosto à falta de qualidade de vida, para a beira-mar.

O campista português típico não quer o contacto com a natureza, quer mas é esquecer que, durante um mês, tem de estar obrigatoriamente perto dela. Porque está de férias em Agosto, tem trinta dias para gastar e éassim que faz desde sempre; porque o iodo faz bem ao reumático, os miúdos gostam de umas boas amonas e a Maria tem de molhar as varizes a ver se desincham, ruma à beira-mar com o gato, o cão, o periquito e a sogra, mas agarra no T2 e transpõe-o para debaixo de um oleado colorido, que ele, sem o conforto a que está habituado e as suas coisinhas, não passa. É por estas e por outras que um parque de campismo português, para além de ser um espaço feio e grosseiro é, também, altamente claustrofóbico: nos cerca de oito metros quadrados de chão que cabe a cada família, amontoam-se mobília, electrodomésticos e bibelots, numa demonstração de vaidade acumulada, temperada com laivos de competitividade inter-vizinhança.

O camping não é um espaço para o português melhor conviver com a natureza e, muito menos, para a apreciar: continua a haver futebol e novela, a Maria debruçada sobre o fogão e os tanques de roupa, as cervejas, os tremoços, as pevides e as aguardentes no café; continua a haver o cuspir para o chão e as transferências do Simão, embaladas num ressonar colectivo.


É claro que as praias propriamente ditas e disputadas por todos, os campistas e os outros, são prontamente invadidas por esta horda tonitruante e poluidora (já que limpinho, rebrilhante e a tresandar a lixívia, só mesmo os nossos oito metros quadrados...) que, por estar mais perto e ali mesmo à porta, chega sempre primeiro e abanca nos melhores spots com os seus panelões de caldeirada, as geleiras, os pára-ventos, os guarda-sóis, os transistóres e as bolas sempre (mas sempre) desviadas da sua trajectória natural. E não há como exterminá-los: por uma diária baratinha, sem gastos extra de gasolina nem problemas de estacionamento, é certo e sabido que, no dia seguinte, à mesma hora, lá estarão outra vez.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D