Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

...

por Vieira do Mar, em 17.07.06
o dedão-frigideira


Se folhearmos uma Hola! (sim, a exclamação é ao contrário, mas não sei como se faz), reparamos num dado curioso: as estrelas apresentam-se sempre, nos seus humilíssimos lares, descalças como vieram ao mundo. É extraordinário: seja o costureiro, a actriz, o toureiro ou a socialaite recauchutada; estejam num chalet em Gstaadt, numa finca andaluza, num iate em Montecarlo ou numa mansão à beira do Mar das Caraíbas, elegantemente esparramados nas suas chaise-longues, espreguiçadeiras e tumbonas, nunca abdicam do pezinho em primeiro plano. Para cúmulo, elas podem ter a cara profissionalmente maquilhada e o mais luxuoso vestido de noite, e eles, o melhor traje de gala: estão descalços na mesma. Deve ser para dar a ideia de que foram inesperadamente surpreendidos pela equipa de reportagem na intimidade no lar, ó pra mim a sair da piscina neste vestido do Ellie Saab. O problema é que há pés feios, horríveis, mesmo, e um pé feio é coisa que estraga toda uma visão de conjunto, deus sabe. Nem um bom par de maminhas, umas pernas de dois metros, uma boca pulposíssima ou uma melena bruxuleante, conseguem apagar a visão inestética de um pé disforme a sobressaltar-nos os sentidos. Quando tal me acontece, está tudo estragado. Às tantas, em vez de me centrar no magnífico pôr-do-sol que se espraia por sobre as jóias da famosa e o mobiliário de jardim indonésio, dou por mim na caça ao joanete e às calosidades, na busca da falange arqueada e dos dedos esqueléticos que parecem querer agarrar-me como mãos, ou então na quimera do dedinho porcino e, em especial, do dedão-frigideira. Não há nada mais estranho do que, na extremidade de uma perna bonita, bem torneadinha, depiladinha e bronzeada, depararmos com um dedongo espetado em forma de frigideira vista do lado da base (céus...).

Vem isto a propósito de quê? Da leitura da revista do Expresso desta semana e da entrevista e respectiva reportagem fotográfica à apresentadora Fátima Lopes. A Fátima, que até é uma mulher gira (um daqueles casos raros em que é melhor ao natural do que na televisão, que lhe aguça os traços de águia), aparece descalça. Uma pessoa está descontraída no seu fim-de-semana, a beber o seu café na pastelaria da esquina, e vai de apanhar com um dedão-frigideira e uma planta-do-pé-paelheira em plena cara. Não se faz. Está a senhora a mostrar toda a sua beleza e à-vontade natural, a gente a ver e a gostar e tungas!, toma lá com um pé largo e grosso que mais parece o de uma camponesa trepadora. É claro que eu, à conta deste estranho fetiche ao contrário, desinteresso-me logo dos futuros projectos profissionais da senhora e de como a filha Beatriz se tornou o centro das suas prioridades (também...); a única coisa que me vem à cabeça é mas porque é que a gaja não esconde aquilo, porquê?

Entretanto, o anãozinho politicamente correcto que vive em mim ordena-me que olhe as minhas curvaturas ao espelho e repita cem vezes baixinho que ninguém tem culpa de ser como é, que a perfeição não existe e que um pé-trem-de-cozinha não é assim tão mau, até porque está lá em baixo e ninguém nota, desde que com as unhas pintadas e as peles e calosidades devidamente removidas, acrescenta ele (este meu anãozinho é um bocadinho metrossexual). Não adianta: um outro anãozinho (mora cá dentro uma comunidade lilliputiana, é certo) torce-se de repugnância à visão de esboços palmares mal-acabados. No fundo, é uma espécie de anãozinho empurra-ego: há lá vingança melhor para a nossa imperfeição terrena, do que constatarmos subitamente que essa deusa que é a Keira Nightley parece um hobbit do tornozelo para baixo, tem bartanas no lugar de pés e está uns milhões de anos atrás de nós no plano evolutivo, a cabra? Lá está, existem fixações que dão jeito.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2004
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D