Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

...

por Vieira do Mar, em 18.07.06
contraponto




Tinham avançado aos solavancos, como um daqueles carros engasgados com o depósito atestado de gasolina suja; haviam-se dado um tempo para, logo a seguir, quase cederem à voragem do mergulho; tinham-se imaginado a tez e os tons de cabelo, depois comprovado a espessura da voz e medido os silêncios, embalados na cadência da respiração de cada um do lado de lá do telefone; tinham-se mantido no fio da navalha que é aquela conversa que balança entre o luminoso e o banal; tinham-se roçagado pequenos gostos e vontades (rasas, daquelas de superfície), eu gosto disto, eu prefiro aquilo; haviam-se calado de súbito na escrita porque a estranha proximidade das respirações, seguidas dos milimétricos silêncios e coladas ao ouvido de cada um, lhes estrangulara o encanto das palavras (embora nessa ausência se pressentisse já o encanto da voz); tinham-se gostado das vozes: a dele, calma, a fazer-lhe ver, a cada nota, a ponderação sintática e estática que poria (presumivelmente) na sua vida e que já lhe havia dado a entender nos textos que lhe escrevera; a dela, meia urgente e desconexa, desarrumada, como ela mesma, sempre à beira do excesso e do riso, e recortada aqui e ali por baixios deliberados (com os quais pretendia suavizar os contornos da excitação que por ela subia sempre que à beira de conseguir algo, mas quando ainda cá em baixo, de braço estendido e com a ponta do dedo quase a tocar esse algo). Gostara ela, em especial, do contraponto que as vozes de ambos se haviam produzido: um contraponto sincopado que lhe soara quase a música (um dueto de tenor e mezzo soprano, talvez); e não fazia a mínima ideia por que razão dava por si, a meio do dia, por entre as infindáveisirrelevâncias burocráticas em formato A4 que rubricava a seco, a pensar naquele contraponto e a sorrir, cheia de vontade.

Era um facto: aquela vontade, ultimamente, picava-lhe o ponto todos os dias - e trabalhava (-a) em hora de expediente.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D