Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

...

por Vieira do Mar, em 17.01.06
noves fora, nada



Ele não sabia como lhe dizer que já não aguentava o estarem separados, o não se tocarem e não se verem, o comunicarem-se por interpostos e nos intervalos, através de sinalética intermitente. Tinha gasto as teclas dos telégrafos, dos telefones fixos sem mensalidade e o saldo dos telemóveis sem carregamentos obrigatórios, enviado os pombos-correio de todos os pombais à face da terra e escrito em pedaços de papel com margem e sem margem as mensagens possíveis, as quais enrolara gargalo abaixo de muitas garrafas que atirara ao mar de sargaços que os separava; tinha esgotado os gigas que as caixas de correio electrónicas, generosas, haviam posto ao seu dispor, vogado através das ondas de rádio, usado a energia espírita e os poderes telequinéticos que cozinhara à pressa, no vapor do desejo.

Chegara-lhe, a ela, por murmúrios, em braille, escrito em mil tipos de letra, font mistral arial garamond, tinha-lhe dado música em emepêtrês escolhidos a dedo, letras precisas de mira telescópica, feitas para apontar e irem directasao coração... e ela, longe, lá longe. Tinha-se couraçado de rodeios, meias palavras e deixado levar por entusiasmos de sintaxe, metafóricos e hiperbólicos, embora sem nunca lhe ter efectivamente chegado a dizer amo-te. Sabia quanto pareceria ridículo e lhe soaria a ela a despropósito, a desabafo kitsch, a noivos de santo antónio, novela das sete, rodapé do programa do Goucha, amo-te Sónia, és a mulher da minha vida, Marco, a correio sentimental da revista Maria, a suspiros de doméstica chorosa e de reformada nostálgica; ele, convicto, achava que já não tinha idade para as tremuras quentes, a inconsistência e o desejo gelatinoso e adolescente que, ultimamente, o tomava de assalto pela calada da noite, a meio de uma reunião, quando acordava e punha os pés no chão, enquanto lavava os dentes, assinava uma acta, consultava o saldo no multibanco, beijava a mulher ou estacionava o carro (ele sabia, sabia tudo isso).

Deixara sempre o mais importante por dizer, porque, para além do medo de que fosse verdade, aquela declaração pastiche que teimava em assomar-lhe aos dedos e à boca, temia a reacção dela a essa declaração, o retraimento e a fuga em frente; por isso acabava quase sempre com juras de amizade eterna e desinteressada, despojada de romantismos que obviamente soariam bacocos a ambos, abafando com camadas racionais o som dos violinos ao longe e os votos de paixão que trazia à superfície da pele e queria esfoliar para cima dela, em apanhando-a desprevenida.

Escrevera e dissera muito, tanta coisa!, mas, afinal, ela nunca se dispusera a ler-lhe o amor nas entrelinhas, queria-o escarrapachado à sua frente e alardeado aos sete ventos, pelo que, feitas as contas, tempos depois, foi como se tivesse ficado calado, noves fora, nada.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2004
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D