Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

...

por Vieira do Mar, em 18.07.06
SMS



Era óbvio que ela subestimara o poder erótico de um SMS e baixara a guarda, por assim dizer. Ficou a olhar, parva feita, para as letras que rebrilhavam no ecrã de cristais líquidos, gosto mesmo de ti, miúda, com a vírgula no lugar certo, com todos os éfes e érres, sem aquelas abreviaturas na moda, nenhum amt, adrt, bjs, LOL, xis ou kapas. Deu por si a soletrar mentalmente aquela palavra, mêjemu, mêjeeeeemuuu, a demorar-se nas vogais e a amarfanhá-las sob a língua dobrada, esmagando-as e alisando-as como um rolo compressor sobre o asfalto, enquanto o coração batia cada vez mais depressa e cada vez mais em baixo, pum pum, pum pum.

O gosto de ti, verdade se diga, fora-lhe absolutamente fatal: gosto (mesmo) de ti e pumba!, a dor do prazer físico não gozado acertara-lhe direitinha na espinal medula, como uma punção lombar. Um amo-te, teria soado a banalidade descartável e falsa, a roçar o piroso; já um adoro-te, teria parecido exagerado, lembraria devoções cegas. Mas não. Apenas um gosto mesmo de ti, miúda, como quem escreve, gosto tanto de ti que me apetece foder-te aqui e agora, gosto tanto dos teus mucos e cheiros e glândulas sebáceas e pêlos e ácaros microscópicos, que me apetece identificá-los, catalogá-los um a um e depois saboreá-los a todos; e roçar os teus taninos contra o céu da minha boca, gargarejando-os em seguida, como um escanção numa prova de vinhos; gosto de ti de tal forma que não tens hipótese nenhuma porque eu, o lobo mau, quero mesmo comer-te e vou apanhar-te, porque gosto mesmo de ti, gosto mesmo de borrego assado no forno com batatinhas àpadeiro, é o meu prato favorito.
E ela, a arfar baixinho, a olhar para aquelas quatro palavras, perfeitas, rematadas por um perfeito ponto final, o cérebro a ordenar um delete ao polegar mas este a resvalar para o save, o desejo a escorregar pelas ravinas dela abaixo sem se conseguir agarrar a coisa alguma na descida, desamparado, por ali fora e ali vai ele. E, depois, a história do miúda. De mulher, passara de repente a miúda, frágil e virginal, com vontade de lhe saltar para cima naquele exacto momento e de voltar a aprender com ele o bêabá da pele, de mergulhar no visor iluminado e de o encontrar nos circuitos electrónicos, um predador à caça dela, acoitado algures entre a memória do cartão SIM , o menu e a lista de contactos.

Que não restassem dúvidas: cada letra de cada palavra havia sido escolhida com uma precisão cirúrgica; a intuição dele, uma estalactite aguçada pelo roçagar permanente do desejo, fizera-o disparar um autêntico aríete na direcção dos centros nervosos dela: uma frase pequena, descomprometida, depurada de juízos de valor e de figuras de estilo, destilada no puro e simples alambique da tesão. Adivinhava-lhe a expressão de gozo, triunfante e malévola, e sentia-se cordeirinho, capuchinho e avózinha, prestes a mergulhar na floresta negra das árvores falantes e sabendo de antemão que se iria perder dentro da sua própria cabeça, muito mais perigosa e traiçoeira do que a pior das intenções dele. Porque, bem o sabia, nós só fazemos o que queremos (quando não o fazemos, é apenas porque não o quisemos o suficiente). E ela, queria-o.

Fechou os olhos, destravou a ponta da língua, tocou no visor do telemóvel e lambeu-o, engolindo as palavras uma a uma, como se o devorasse inteiro e, depois, ele seguisse o curso natural das coisas mastigadas, esófago abaixo, e acabasse dissolvido nos seus quimo e quilo, sem dó nem piedade. Um travo amargo teimava em acompanhar-lhe o gozo da ingestão, como o sabor quase azedo de um leite esquecido ao sol. Ainda a outra mão lhe descia pelo corpo abaixo, ao ritmo desgovernado da fantasia, gosto mesmo de ti, miúda, quando o telemóvel tocou. Sem abrir os olhos, ela lambeu os dedos molhados e usou o indicador para atender a chamada, antecipando a voz dele, anasalada e sem ponta de graça.

Não devias ter telefonado, adiantou-se-lhe.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D