Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

mais um tirinho no pé

por Vieira do Mar, em 26.05.11

Como já estava a adivinhar (é o que eu digo: não posso passar ao lado do euromilhões), votar no PSD ou no PP significará, mais tarde ou mais cedo,  um retrocesso civilizacional relativamente a uma das mais importantes conquistas do PS: a despenalização do aborto. Portas andava a evitar a questão, esperto como é, mas Passos Coelho, mais tonto, deu outro tiro no pé, ao chamar o assunto à colação. Hoje, ambos os partidos perderam muitas eventuais mulheres votantes que, revoltadas com o facto de o PS lhes ter ido ao bolso, estavam dispostas a dar o seu voto, pela primeira vez, a um ou a outro, para castigar Sócrates. Eu era uma delas. É claro que Portas, apesar de ter dito que, caso fosse poder, não imporia aos portugueses os seus "princípios",  quando confrontado directamente com a questão da reavaliação da lei do aborto, não pôde descartar a hipótese de o fazer, caso em que trairia todo o seu eleitorado tradicional: os muito betos e os muito incultos (características nem sempre tão distantes como parecem). Só que isto é assim: nos próximos anos, em termos de finanças públicas, quem quer que seja eleito não terá margem de manobra, refém do FMI e dos "auxílios" que aí vêm. E vai ser apenas nas pequenas coisas, iniciativas legislativas no domínio da política interna, não económicas e não financeiras, que quem quer que seja eleito vai poder "mexer". Mudar as leis caseirinhas,  para as quais os que nos dão o dinheiro se estão mais ou menos nas tintas, coisas que não conflituam directamente com percentagens, taxas de juro, margens de erro e afins. No caso concreto da despenalização do aborto, a demagogia vai ser tanta que se calhar até conseguem convencer de facto a troika de que o dinheiro até agora dispendido em abortos legais é dinheiro que está a ser roubado à velhinha que espera há sete anos para ser operada à anca. Já há quem ande para aí com essas comparações desonestas e levianas. E é a argumentos falaciosos do género que Coelho e Portas irão recorrer quanto suscitarem, via "grupo de cidadãos preocupados", a necessidade de "reavaliar" a lei e o sei "impacto". Peanuts, tostões em termos de dívida pública, um rato que eles vão transformar na montanha. E eu, que senti na pele (no bolso, melhor) as medidas do PS, acho isto extremamente preocupante. Com dezanove anos, quase morri de um aborto clandestino, por isso, para mim a questão é pessoal e sobrepõe-se a mais ou menos xis euros no ordenado. Todos já sabemos que o ideial é a prevenção e a educação e que ninguém é a "favor do aborto", como eles gostam de dizer. But shit happens. E há que lidar com ela.  Esta lei, aplicada com maior ou menor rigor, tem permitido salvar as vidas de muitas mulheres, por um lado e, por outro lado, acabar com o monopólio das clínicas de abortos clandestinos. Tanto as de vão de escada, que mataram muitas mulheres ou as incapacitaram para a vida, como as ricas, com clientes de luxo, que sujeitavam adolescentes grávidas a anestesias gerais e lhes faziam "raspagens", quando a situação poderia ter sido resolvida com dois ou três comprimidos, só para sacarem mais algum (bastante mais). Ou seja, o tirinho no pé de Passos Coelho vai-lhe custar muitos votos, à esquerda e ao centro. Aqueles socialistas chateados com Sócrates, que, tal como o resto do povo português, já não o podem ver à frente (porque é o que mais chateia nele é, de facto, o nunca ter admitido que errou e o não se ter demitido quando devia, assim demonstrando arrogância e  incoerência), mas que ainda estão indecisos,  vão ponderar o que é, de facto, mais importante, e o que é que, para além do que perderam com  o PS, podem perder ainda mais com o governo de direita que aí vem. Em especial as votantes socialistas, como a que eu sempre fui. Uma coisa é certa: até posso votar no PAN, mas não vou conceder ao PSD nem ao PP uma maioria absoluta. Medo.

12 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D