Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

waiting sucks

por Vieira do Mar, em 11.04.11

Inda agora conversava com uma amiga querida sobre o fascínio que exerce sobre nós a série  True Blood. Eu não gosto de vampiros. Aliás, acho ridículo pessoas adultas vibrarem com o tema e terem frémitos de excitação com historietas adolescentes como twilights e afins. Li o Dracula de Bram Stoker quando tinha dezasseis anos, roubado à sorrelfa da biblioteca dos meus pais, e chegou. Não acho nada sensual, sexo misturado com sangue. O primeiro é uma coisa boa (ou pode ser, claro), o segundo lembra-me doenças, violência, cheiro a ferro, dentes de leite arrancados, dores de parto, cortes na cozinha quando descasco cebolas e cicatrizes para a vida. E no entanto. No entanto, há qualquer coisa em True Blood que me deixa absolutamente fascinada, colada ao ecrã. Algo que me torna a mais eficiente hacker, a sacar da net séries inteiras, a rever os episódios uma e outra vez, mesmo quando o elemento suspense já foi. Não falo do genérico (fabuloso) que sei de cor, nem da excelente banda sonora dos créditos finais, sempre diferente. Um princípio e um fim não chegam para fazer uma boa série. No fundo, acho que o que me atrai é a indefinida dualidade entre o bem e o mal. Ali, nunca ninguém é exactamente bom nem totalmente mau; no entanto, o Bem e o Mal andam à solta como nunca vi em nenhuma outra série. À solta dentro de cada um dos personagens. Não há dois lados que se digladiam, há pessoas que se digladiam interiormente com as suas duplas, triplas, naturezas. O facto de uns serem vampiros, outros humanos, fadas, metamorfos, ou lá o que lhes queiram chamar é apenas uma metáfora. Uma metáfora para a capacidade que todos temos dentro de nós para, perante certas circunstâncias, nos transformarmos em anjos ou em monstros. E depois há a perspectiva utilitária e manipuladora do ser humano, que perpassa toda a série: mesmo a criatura mais boazinha não olha a meios para conseguir os fins; e o mais malvado dos vampiros é capaz de, no final, exercer a misericórdia, o arrependimento e ser generoso para com os que ficam. O vício cresce à medida que a trama avança porque a confusão entre o Bem e o Mal interiores cresce exponencialmente, em especial nos personagens principais, pelo que é impossível adivinhar o que vai acontecer a seguir. Como dizia a minha amiga, aquilo é com vampiros, mas podia ser com empregados de escritório. Porque o que ali acontece é a natureza humana em todo o seu esplendor - e que ainda por cima nos é apresentada com imaginação e diálogos de antologia. Pessoalmente, além do gozo que me dá acompanhar a trama propriamente dita, é uma série que cai que nem ginjas no momento que vivo actualmente, em que saí da redoma e me apercebi de que o Mal e o Bem podem coexistir no mesmo espaço, ao mesmo tempo, às vezes em mim; noutras vezes, em outros. E que as pessoas não mudam; apenas são uma ou outra coisa, em maior ou menor grau, consoante a vida as empurra num ou noutro sentido. As presas sangrantes e os pescoços distendidos em esgares de suposto prazer são só folclore para rapariguinhas góticas e para outras não tão rapariguinhas nem tão góticas assim, que nada percebem de tesão com homens a sério e que desse modo excitam as suas imaginações doentias. De qualquer modo, e voltando ao que interessa, a série é um portento de malevolência, altruísmo, manipulação, perversidade, generosidade, fé e traição: ou seja, de humanidade em estado puro (para mais, passa-se nos EUA sulistas, ignorantes e atrasados, pasto para as emoções e as crenças mais primárias). Portanto, vejam-na se puderem. As primeiras três séries estão inteirinhas na net. Estou que não me aguento com a quarta, que nunca mais chega. E como eles dizem na página do FB, waiting sucks.

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D