Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

maminhas, salomão e perfume de bebé

por Vieira do Mar, em 28.01.11

Esta noite (melhor, esta manhã, depois de uma insónia dolorosa), sonhei que tinha tido um bebé e que estava a dar-lhe de mamar, num festim abundante. O sentimento primário era de aflição pois, tal como na vida, estava divorciada e o pai (primeiro, o pai dos meus filhos, depois, e à medida que o sonho avançava, figuras masculinas indistintas que se sobrepunham para me exponenciar a aflição), queria partilhá-lo - uma coisa tipo guarda conjunta, já não sei bem. O pressuposto salomónico provocava-me um desespero danado e eu, no meu absurdo onírico, só pensava em como o pai o iria alimentar quando o tivesse, se eu lhe estava a dar de mamar. Acordei num choro interior convulsivo e gutural, sem lágrimas, afogada em soluços secos e fiquei a olhar para o tecto, a racionalizar e a pensar que não deveria ser alheio ao sonho o facto de ter tido uma amiga que teve um bebé há poucos dias e de, ao pegá-lo, ter revivido por todos os meus poros aquele cheiro que só os recém-nascidos têm. Isso, e a ideia de partilha, um conceito nobre que ultimamente me preenche a vida e que adquiriu, pela força das coisas, uma conotação pejorativa de corte, separação, ganância e metades desavindas. Tudo é muito bonito até deixar de o ser. Levantei-me, lavei a cara, deitei-me e adormeci de cansaço, voltando a pegar no sonho exactamente onde o havia deixado, o que muitas vezes me acontece. Imagens de maminhas leitosas, beijinhos e abraços possessivos, a par com sensações de medo e de perda, que ninguém me o tira que eu não deixo. Que bebé tão meu, aquele! Não sei se era menino ou menina nem como se chamava, sei que era meu, um prolongamento de mim: era eu. Levantei-me, fui à minha vida mas passei o dia a pensar nele e no cheiro vivo que dele emanara: uma mescla do cheiro de todos os bebés que já tivera nos braços, com o dos meus filhos depois do banho, misturado com o da eau de toilette Mustela, do lait da Tartine et Chocolat ou com o da velhinha Johnson´s Baby (o melhor). E o cheiro perseguiu-me: pelas ruas de Lisboa, no escritório, pelas lojas onde entrei. Hoje quis imperiosamente um bebé só meu. E, mais do que os últimos estertores do relógio biológico que adianta e atrasa no meu subconsciente, o que se passa é o custar-me vê-los crescer calcorreando o longo caminho que nos separa a mim e ao pai, andando por vezes para cá e para lá em terra de ninguém, sem serem verdadeiramente dele, nem meus.

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2004
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D