Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

MST versus GA

por Vieira do Mar, em 01.03.10

Quem me lê sabe que  acho o Gonçalo Amaral (GA) uma criatura abjecta; não só pelas suas intervenções públicas, mas pelo conteúdo do livro que escreveu - e que li com atenção. Basta vê-lo e ouvi-lo para se perceber a incompetência tendenciosa que dele transpira.  Fala mal, explica-se pior e, neste momento,  tem a lata de estar a dizer a MST que "não defende nada" e não "acusa ninguém". MST, e bem, repara que GA, antes de fazer o que quer que fosse, desconfiou dos progenitores, logo no primeiro dia, e que esta foi sempre a única hipótese de trabalho - e é exactamente isto que se passa no livro: todas as outras pistas ficam por explorar, a partir do momento em que o caso se transforma apenas numa perseguição aos McCann. As objecções de MST, inevitáveis,  são aquelas que coloco (eu, e qualquer pessoa minimamente sensata) sempre que converso com alguém sobre o assunto: como é que dois ingleses que não conheciam o local, à noite, matam a filha e se desfazem do corpo em apenas meia hora?!. Para isto, GA não tem grande resposta, aproveitando para acusar o Ministério Público (who else?), por causa do arquivamento. Entramos, então, no tema "Leonor Cipriano", a quem a criatura e alguns amigos resolveram moer de pancada para sacar uma confissão. MST fala da sentença de condenação, que põe em causa,  por nunca ter sido encontrado o corpo da filha da condenada: concordo plenamente, o acordão em questão é feito pala rama e assente em pouca prova. GA, mais uma vez, engasga-se e mete os pés pelas mãos. Voltando a Maddie, e a propósito de os McCann terem regressado a Inglaterra cinco meses depois, e de terem sido apontados a dedo pelo facto de se terem ido embora, não diz sim nem não, engasga-se. Entretanto, põe-se a fazer uma declaração a favor da liberdade de expressão, espraia-se um bocadinho, mas logo MST lhe corta o pio, acabando por lhe perguntar o óbvio: se alguma vez pôs a hipótese de o casal ser inocente e se, perante essa hipótese, dorme tranquilamente. O tempo impede que GA entaramele mais uma resposta parva com aquele seu ar esbugalhado de vítima. Fim da entrevista: mais uns minutos e MST acabava com ele, que pena.

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D