Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

a árvore perfeita

por Vieira do Mar, em 17.12.09

 

Fazia sempre uma árvore perfeita, que impressionava devidamente família e amigos. Mudava de decoração todos os anos. No fim de cada quadra, lá pelos reis, desfazia a obra de arte e empacotava os enfeites por cores, que depois atirava para um canto da cave e que, caso não fizessem pandam com os do ano seguinte, não mais usava. Por vezes repetia as luzes, e o presépio era na verdade  sempre o mesmo, embora todos os anos lhe acrescentasse uma igreja iluminada, meia dúzia de figuras a caminho do menino, um ou outro pai natal animado ou mais um comboio em círculo, movido a pilhas, misturando o sagrado e o pagão numa histeria exibicionista de feira. Um ano depois, escolhia nova cor predominante e novo tema (consoante pendia mais para um natal sofisticado ou rústico), e percorria as lojas da especialidade, renovando o pinheiro gigante  que lhes custara um balúrdio com bolas e fitas e estrelas novinhas em folha, ora tudo azul e dourado um ano, ora tudo verde e encarnado no outro. O seu bom gosto era indiscutível, e irrepreensível o apelo aos pormenores, ao detalhe. Nada ficava fora do lugar: as bolas eram milimetricamente dispostas, separadas por cores e tamanhos, as mais pequenas em cima, as maiores em baixo; havia ali uma noção perfeita do equilíbrio e da estética; poderia ter sido decoradora de interiores ou de montras, tal o aprumo e a harmonia do resultado final. Escusado será dizer que era uma tarefa solitária. As crianças apareciam no fim e apreciavam o efeito com ahs e ohs pouco interessados, olha desta vez a cor é diferente, há uns bonecos novos, a mãe tem mesmo jeito para isto. Durante a decoração propriamente dita eram gentilmente escorraçadas por ela, que não podia permitir que a espontaneidade infantil trocasse o lugar às estrelas, entortasse os ramos do pinheiro ou partisse as bolas de vidro soprado (caríssimas). Só no fim deixava que uma delas pusesse a estrela grande no cimo, e sempre sob a sua cuidadosa supervisão, pois o resultado não podia nunca ser menos do que perfeito. Mesmo assim, quando as crianças viravam costas, ia lá e compunha-a à sua maneira, dando-lhe toques para a direita e para a esquerda até a achar perfeitamente alinhada com qualquer outra coisa importante. Entretanto, a vida mudou-se-lhe e os enfeites dos anos anteriores foram-se acumulando na cave,  fantasmas de natais passados, desperdícios empoeirados sem cor nem brilho (se uma luz se iluminar na noite e ninguém estiver lá para a ver, será que essa luz existe mesmo?). E o Natal voltou a chegar. Desta vez, não houve figurinhas acrescentadas ao presépio, nem enfeites milimetricamente dispostos, aliás, nem sequer houve presépio: a vida enrodilhara-se-lhe, dera voltas e mais voltas,  e ela de cabeça para baixo a repensar as prioridades, o lugar das coisas e das não-coisas. Atiçara-se-lhe no espírito o cliché mais velho de todos e questionava-se com fervor sobre o verdadeiro significado do Natal. Ainda pensou comprar uma briga para rever os enfeites antigos e empoeirados, mas depois percebeu que não tinha lugar para eles em lado nenhum. Agarrou nos miúdos, entrou na loja chinesa mais próxima, comprou um pinheiro pequeno e barato cujas hastes pareciam piaçabas, de um verde enjoativo e brilhante, e deixou-os escolher bolas e fitas e estrelas. E eles escolheram-nas: amarelas, roxas, prateadas e azuis. E até umas pretas, sinistras, que pretendiam seguramente  evocar qualquer coisa de design moderno mas que começavam a lascar mal se lhes tocava, deixando à mostra um dourado duvidoso. Compraram bonecos alusivos à quadra, figuras mal acabadas com o recheio de poliester  à mostra, luzinhas de arroz e uma estrela amarela de plástico, que parecia feita a partir  de um taparuere.  Vieram para casa cheios de sacos e, todos juntos, compuseram uma polimorfia alegre e desastrada, uma erupção cromática sem lei nem ordem. Quando acabaram foram fazer panquecas. E ela não sabia nem quando nem como tal acontecera mas, num repente que afinal durara um ano inteiro, o caos e a desordem que se seguiram à perda  haviam posto a descoberto o Amor.
 
(como um despojo arqueológico na maré vazia.  um despojo de incalculável valor)

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2004
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D