Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

amo-te

por Vieira do Mar, em 31.08.09

Amo-te, escrevera-lhe ela, sem pensar duas vezes. Amo-te. Depois ficou a olhar a palavra, como se nunca a tivesse visto. Há anos que não dizia aquilo a um homem, nem sequer ao marido (muito menos ao marido). Apetecia-lhe repeti-la à exaustão, escrever-lha em maiúsculas como quem grita, encher-lhe o ecrã com ela, dizer-lha tantas vezes até a palavra perder a importância e a solenidade originais. A transbordar de si, apagou o computador, acendeu um cigarro e foi à janela olhar o céu de Verão e sentir ao de leve uma brisa choca, que não chegava para a arrefecer por dentro. No fundo uma romântica, a palavra despoletara nela um desejo físico inusitado; queria sussurar-lha, enquanto lhe lambesse o ouvido; queria contornar-lhe a nuca com ela, como se cada letra fosse a conta de um fio, a-m-o-t-e-a-m-o-t-e, queria descer por ele abaixo, fazendo caminhos com a língua e tatuando a palavra uma e outra vez a cada cruzamento, a cada entroncamento do corpo dele, soprando-a baixinho. Experimentou dizer alto a palavra, em direcção à noite, Amo-te. Evitou o tom desbragado, feliz  e carinhoso que devotava ao filho, quando dizia que o amava. Tentou dar-lhe uma conotação adulta, definitiva, sem pieguice, mas viu-se ridícula, falha de emoção, de fervor.  O amo-te saiu-lhe como se dissesse está bem, obrigada ou por favor fecha a porta. Percebeu que lhe faltava o objecto daquele amor. Fechou os olhos mas nem mesmo assim o conseguiu imaginar. Não o conhecia, talvez nunca o conhecesse, não sabia o que amava, quem amava. A palavra perdeu-se na noite, sem destinatário fixo.  Ana soltou a beata no ar e viu-a cair no passeio em baixo, ainda acesa. Expeliu o fumo que travara nos pulmões, fechou com força a janela, e enfiou-se na cama a puxar pelo sono, como quem arrasta uma carroça. No sonho, que veio só com a madrugada, ela dizia-lho finalmente na cara (uma cara indefinida, de olhos grandes), com a convicção febril das criaturas apaixonadas, amo-te!; e era, sem dúvida,  um amo-te daqueles das entranhas, uma estrela de muitas pontas que trazia guardada dentro. Mas ele olhara-a, sorrira-lhe um poucochinho e depois virara-lhe as costas.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2004
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D