Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

strawberry cheesecake

por Vieira do Mar, em 30.08.09

Resolvera voltar para o marido. Não aguentara a solidão, as recriminações familiares, o dedo de Deus a apontar para ela. Estava farta, dos longos interregnos em que deixava de ouvir os risos e as brigas das crianças, das mudas constantes de roupa, das refeições que saltava porque não tinha quem a acompanhasse. Sabia que, tal como havia sido ela a criar a situação, o nó górdio, facilmente o desfaria, bastariam um telefonema, uma conversa, um arrependimento sincero  e uma demonstração de fé no futuro. Não aguentara, não saber o que a esperava no dia seguinte, nem as longas conversas com o advogado sobre a impossível divisão dos bens, mas, mais do que tudo, achava insuportáveis e dolorosas, as secas e frias trocas de palavras que agora exercitava com o marido, aquele que fora o seu homem de sempre.  Odiava a sensação de estar sozinha, como se fosse uma faca de gume afiado e comprido que todas as noites se enterrava mais e mais no seu cérebro, fazendo-a sentir uma série de  coisas desagradáveis, que iam desde o pânico à mais pura orfandade. O pior era quando o silêncio era tal que ela tinha de se confrontar obrigatoriamente consigo própria e com todos os seus medos. Aqueles momentos do dia em que os miúdos não estavam, o trabalho acabara e o telefone não tocava. O que é que eu vou fazer ? Perguntava-se. Se morresse aqui e agora, ninguém daria por nada, e daqui a uns dias encontrar-me-iam a apodrecer, provavelmente os miúdos, quando voltassem para casa. Pensava frequentemente que qualquer coisa era melhor do que aquilo, apetecera-lhe vezes sem conta rebobinar a vida e voltar atrás, ao momento antes de ter tomado uma decisão tão definitiva e de ter mudado a vida de tanta gente tão de repente, do pé para a mão. Sentia-se uma caprichosa, uma odiosa caprichosa,  que descosera os bordos da família, já meia esfiapada das discussões, das mentiras e dos silêncios. A culpa soterrava-a em casa, em frente à televisão ou agarrada a um livro. Às vezes tinha pena de não fumar, de não beber, de não se drogar ou de fazer qualquer tipo de medicação que a atordoasse num estado de semi-imbecilidade, tal era a vontade de se alhear, de se entorpecer, de fazer o tempo andar mais depressa sem que ela desse por isso. Não tinha querido nada daquilo, pensara que tudo fosse ser muito mais fácil. A civilidade aparente da separação escondia um ressabiamento mútuo que latejava por entre os cumprimentos educados e a aritmética correcta quanto aos dias para cada um com os miúdos. Tudo muito pela rama e à superfície, para não despertar fantasmas adormecidos, mas que parecia resultar, por ora. De vez em quando, assaltavam-na uma espécie de saudades, não sabia bem de quê mas desconfiava, que ela  não deixava que se desenvolvessem, atabafando-as de imediato numa qualquer lembrança cheia de rancor que lhe era, decididamente, muito menos dolorosa do que aquelas vontades súbitas de um corpo e as lembranças de um cheiro familiar, um cheiro de toda a vida. Resolvera voltar para o marido, fizera as malas e preparava-se para ir ter com ele e com os miúdos, estava decidido. Mas antes, fez um exercício mental; um exercício que se impusera a si própria desde que tomara a dramática decisão de que agora aparentemente se arrependia. Pensa, Rita, pensa, dizia para si própria, Pensa em quando estavas com ele, mergulha dentro de ti nesses momentos, lembras-te? Pensa no tédio, na indiferença, na vontade de não estares ali, nas camas separadas, na tristeza miudinha de te saberes a dormir com um estranhoMas pensa, acima de tudo, na  vida  que existe  para além de tudo isso, e que só poderás eventualmente descobrir se agora passares por isto. Desfez as malas, foi ao frigorífico, abriu um copo  dos grandes de strawberry cheesecake, atirou-se para cima do sofá a ver um documentário sobre pinguins e pensou, logo à noite vou ao cinema.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D