Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

amo-te

por Vieira do Mar, em 31.08.09

Amo-te, escrevera-lhe ela, sem pensar duas vezes. Amo-te. Depois ficou a olhar a palavra, como se nunca a tivesse visto. Há anos que não dizia aquilo a um homem, nem sequer ao marido (muito menos ao marido). Apetecia-lhe repeti-la à exaustão, escrever-lha em maiúsculas como quem grita, encher-lhe o ecrã com ela, dizer-lha tantas vezes até a palavra perder a importância e a solenidade originais. A transbordar de si, apagou o computador, acendeu um cigarro e foi à janela olhar o céu de Verão e sentir ao de leve uma brisa choca, que não chegava para a arrefecer por dentro. No fundo uma romântica, a palavra despoletara nela um desejo físico inusitado; queria sussurar-lha, enquanto lhe lambesse o ouvido; queria contornar-lhe a nuca com ela, como se cada letra fosse a conta de um fio, a-m-o-t-e-a-m-o-t-e, queria descer por ele abaixo, fazendo caminhos com a língua e tatuando a palavra uma e outra vez a cada cruzamento, a cada entroncamento do corpo dele, soprando-a baixinho. Experimentou dizer alto a palavra, em direcção à noite, Amo-te. Evitou o tom desbragado, feliz  e carinhoso que devotava ao filho, quando dizia que o amava. Tentou dar-lhe uma conotação adulta, definitiva, sem pieguice, mas viu-se ridícula, falha de emoção, de fervor.  O amo-te saiu-lhe como se dissesse está bem, obrigada ou por favor fecha a porta. Percebeu que lhe faltava o objecto daquele amor. Fechou os olhos mas nem mesmo assim o conseguiu imaginar. Não o conhecia, talvez nunca o conhecesse, não sabia o que amava, quem amava. A palavra perdeu-se na noite, sem destinatário fixo.  Ana soltou a beata no ar e viu-a cair no passeio em baixo, ainda acesa. Expeliu o fumo que travara nos pulmões, fechou com força a janela, e enfiou-se na cama a puxar pelo sono, como quem arrasta uma carroça. No sonho, que veio só com a madrugada, ela dizia-lho finalmente na cara (uma cara indefinida, de olhos grandes), com a convicção febril das criaturas apaixonadas, amo-te!; e era, sem dúvida,  um amo-te daqueles das entranhas, uma estrela de muitas pontas que trazia guardada dentro. Mas ele olhara-a, sorrira-lhe um poucochinho e depois virara-lhe as costas.

strawberry cheesecake

por Vieira do Mar, em 30.08.09

Resolvera voltar para o marido. Não aguentara a solidão, as recriminações familiares, o dedo de Deus a apontar para ela. Estava farta, dos longos interregnos em que deixava de ouvir os risos e as brigas das crianças, das mudas constantes de roupa, das refeições que saltava porque não tinha quem a acompanhasse. Sabia que, tal como havia sido ela a criar a situação, o nó górdio, facilmente o desfaria, bastariam um telefonema, uma conversa, um arrependimento sincero  e uma demonstração de fé no futuro. Não aguentara, não saber o que a esperava no dia seguinte, nem as longas conversas com o advogado sobre a impossível divisão dos bens, mas, mais do que tudo, achava insuportáveis e dolorosas, as secas e frias trocas de palavras que agora exercitava com o marido, aquele que fora o seu homem de sempre.  Odiava a sensação de estar sozinha, como se fosse uma faca de gume afiado e comprido que todas as noites se enterrava mais e mais no seu cérebro, fazendo-a sentir uma série de  coisas desagradáveis, que iam desde o pânico à mais pura orfandade. O pior era quando o silêncio era tal que ela tinha de se confrontar obrigatoriamente consigo própria e com todos os seus medos. Aqueles momentos do dia em que os miúdos não estavam, o trabalho acabara e o telefone não tocava. O que é que eu vou fazer ? Perguntava-se. Se morresse aqui e agora, ninguém daria por nada, e daqui a uns dias encontrar-me-iam a apodrecer, provavelmente os miúdos, quando voltassem para casa. Pensava frequentemente que qualquer coisa era melhor do que aquilo, apetecera-lhe vezes sem conta rebobinar a vida e voltar atrás, ao momento antes de ter tomado uma decisão tão definitiva e de ter mudado a vida de tanta gente tão de repente, do pé para a mão. Sentia-se uma caprichosa, uma odiosa caprichosa,  que descosera os bordos da família, já meia esfiapada das discussões, das mentiras e dos silêncios. A culpa soterrava-a em casa, em frente à televisão ou agarrada a um livro. Às vezes tinha pena de não fumar, de não beber, de não se drogar ou de fazer qualquer tipo de medicação que a atordoasse num estado de semi-imbecilidade, tal era a vontade de se alhear, de se entorpecer, de fazer o tempo andar mais depressa sem que ela desse por isso. Não tinha querido nada daquilo, pensara que tudo fosse ser muito mais fácil. A civilidade aparente da separação escondia um ressabiamento mútuo que latejava por entre os cumprimentos educados e a aritmética correcta quanto aos dias para cada um com os miúdos. Tudo muito pela rama e à superfície, para não despertar fantasmas adormecidos, mas que parecia resultar, por ora. De vez em quando, assaltavam-na uma espécie de saudades, não sabia bem de quê mas desconfiava, que ela  não deixava que se desenvolvessem, atabafando-as de imediato numa qualquer lembrança cheia de rancor que lhe era, decididamente, muito menos dolorosa do que aquelas vontades súbitas de um corpo e as lembranças de um cheiro familiar, um cheiro de toda a vida. Resolvera voltar para o marido, fizera as malas e preparava-se para ir ter com ele e com os miúdos, estava decidido. Mas antes, fez um exercício mental; um exercício que se impusera a si própria desde que tomara a dramática decisão de que agora aparentemente se arrependia. Pensa, Rita, pensa, dizia para si própria, Pensa em quando estavas com ele, mergulha dentro de ti nesses momentos, lembras-te? Pensa no tédio, na indiferença, na vontade de não estares ali, nas camas separadas, na tristeza miudinha de te saberes a dormir com um estranhoMas pensa, acima de tudo, na  vida  que existe  para além de tudo isso, e que só poderás eventualmente descobrir se agora passares por isto. Desfez as malas, foi ao frigorífico, abriu um copo  dos grandes de strawberry cheesecake, atirou-se para cima do sofá a ver um documentário sobre pinguins e pensou, logo à noite vou ao cinema.

"eu sou um cobarde..."

por Vieira do Mar, em 30.08.09

Ela pousou o livro na cama, o segundo da trilogia millenium, para ler um email que acabara de receber no telemóvel. Leu-o atravessado e à pressa, pois estava na parte em que se descobre quem assassinou o Dag e Mia; era uma declaração sincera e amigável, mas cobarde - não pelo que dizia mas por ter sido enviada por aquele meio, impessoal e distante, sem possibilidade de resposta imediata, de reacção adequada, de uma eventual explosão emocional (bastante razoável dadas as circunstâncias, aliás). Daquela forma, tinha seguramente custado menos a quem o escrevera: não havia confronto possível, nenhuma explicação adicional a dar, nenhuma hipótese de contraditório. Qualquer resposta que ela lhe desse, ficaria perdida por milhões de bites e bytes, e seria sempre um golpe em diferido, mole, sem a eficácia imediata e demolidora que pedem as declarações sinceras e amigáveis  como a que acabara de ler. Apeteceu-lhe gravar no peito dele uma frase que o identificasse como pérfido e perigoso perante todas as mulheres que se lhe seguissem, à semelhança do que Lisbeth Salander fizera no torso do seu tutor, talvez qualquer coisa como "eu sou um cobarde que gosta de brincar com os sentimentos das mulheres", atravessado na diagonal. Felizmente que ela tinha ligado todos os sistemas de protecção, todas as firewalls internas, alertada por mais do que uma contradição, por uma mentira aqui e ali, por estranhos recuos após insinuações de ataque, por gente de fora que lhe tinha dito que não confiasse. Tinha o coração bem protegido, todo ele acolchoado, nem um bocadinho de fora para amostra, nada onde lhe pudessem tocar. É óbvio que se abriu, e confiou e deu, mas porque lhe ensinaram que a reciprocidade pode ser um valor moral a preservar em certas circunstâncias, e que quando se recebe, tem de se dar qualquer coisa em troca. E, apesar de tudo, ela recebera algo. Recebera, por exemplo, uma espécie de amor aleijado; um amor intermitente que só lhe chegava a espaços, mas sempre de forma violenta, como se uma espécie de ultimato. Era algo que a assustava e a retraía, que a fazia esconder-se por detrás do riso e de uma falsa segurança, que exibia perante ele como uma parede de tijolo. Mas depois arrependia-se, pois ele, em todo o seu desnorte, acabava por ser-lhe sincero, devoto, quase fiel. E então, um dia, ela disse-lhe tudo; despejou literalmente a sua vida na cabeça dele, e ele que fizesse o que quisesse. A partir desse momento, julgou ela,  passara a haver um laço indissolúvel que os unia, a partilha dos segredos, das inseguranças,  dos medos. Agora, ao olhar para aquele email, definitivo e manso,  dava graças por ter mantido o coração abotoadinho durante todo o processo, caso contrário estaria a sofrer que nem um cão vadio. O que não invalidava a crueldade objectiva da situação por ele criada e alimentada, como se alimenta um animal selvagem em cativeiro. "Eu sou um cobarde..." pensava ela ao rasgar-lhe a frase no peito, uma e outra vez. E, como Lisbeth Salander seguramente faria, virou-lhe as costas, saiu e bateu com a porta sem sequer olhar para trás.

e mais

por Vieira do Mar, em 27.08.09

" (...) se existir por aí um blogue de pessoas que se dediquem a vilipendiar o Santana Lopes, podem convidar-me, eu aceito, não é como nos outros convites todos que recebi, que recusei por não estarem à minha altura."

 

É só para dizer que eu também aceito.

mas antes

por Vieira do Mar, em 26.08.09

É um facto: os homens tendem para o pavoneamento, intelectual ou físico, consoante aquilo em que sejam menos maus, o que é um bocadinho patético. O exibicionismo masculino perante as  fêmeas, em especial as inteligentes, é geralmente recebido por estas com algum escárnio, o que pode ser confundido com falso desdém. Eles pura e simplesmente não acreditam que nós possamos não estar interessadas. O que acontece muitas vezes, na verdade. Em contrapartida,  o interesse genuíno de uma mulher bem resolvida num homem em particular é quase sempre visto como uma outra coisa qualquer; como uma ameaça mais ou menos indefinida  de que os homens fogem a sete pés porque não sabem como  a interpretar, ou interpretam-na mal. E fogem, mesmo que isso implique escolherem uma outra, ainda que pior: ao menos ficam com a impressão de que optaram voluntária e conscientemente sem terem sido manipulados. É uma mulher mostrar a um homem que o quer e é vê-lo recolher-se na sua concha, desconversar, mais um bocadinho e ela é uma piranha, uma viúva negra que o quer sugar até ao tutano, seja de que forma for. Demasiadas vezes, os homens não entendem que as mulheres nem sempre querem só uma coisa deles (designadamente, aquela em que eles estão a pensar). E que os graus de inteligência e de confiança que têm em si próprias (independentemente dos seus reais atributos físicos) as fazem querer coisas diferentes consoante as fases da vida, da lua, dos ciclos menstruais, do dia. Um companheiro, uma companhia, um amigo, um boneco, uma queca, uma diversão, um marido, um amante, um contabilista - depende. Eles têm a sua interpretação particular e maniqueísta dos sinais que uma mulher disponível  lhes envia, sendo que tal interpretação é geralmente uma expressão dos seus próprios medos. Para eles, se uma mulher está sexualmente disponível, é promíscua, quem sabe uma tarada; se está afectivamente disponível, é desesperada e sozinha, talvez restos que outros não quiseram. Em qualquer dos casos, uma muito possível fonte de problemas. Na origem deste preconceito masculino está, para além de um atrofio cultural de séculos, uma evidência numérica: nós somos muito mais do que eles. Os homens vêem-se a si próprios como mercadoria preciosa  e escassa, numa interpretação simplista da lei da oferta e da procura. O resultado do preconceito? Ah, sou cínica na apreciação mas inevitavelmente romântica na conclusão: almas gémeas que porventura se cruzam mas que nunca se encontram.

não ando a gostar

por Vieira do Mar, em 24.08.09

do que leio por aqui.

 

(até já)

 

road trippin

por Vieira do Mar, em 24.08.09

escrever

por Vieira do Mar, em 23.08.09

pode ser um acto de fé.

...

por Vieira do Mar, em 22.08.09

 

I want you back.

o que te estava a querer dizer

por Vieira do Mar, em 17.08.09

 

é que a minha voz é igualzinha à dela, juro (só que ao pé de ti e dessa atitude de solista do king´s college choir fico nervosa e desafino).

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D