Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

MEC, a comida, e as mulheres e a comida

por Vieira do Mar, em 16.10.08

A Visão de hoje traz uma entrevista muito engraçada com o Miguel Esteves Cardoso. Das palavras do Génio sobressai a imensa alegria que associa ao acto de bem comer. Revi-me no que ele diz (quem não se revê? é esse o dom dos génios), porque se há coisa de que gosto são almoçaradas e jantaradas, apesar de estar cada vez mais exigente com a qualidade dos ingredientes e com a simplicidade e honestidade da sua confecção.

 

Bom, mas dizia eu, que o tema da entrevista deixou-me a pensar numa questão que me é recorrente: a relação que nós mulheres temos com a comida, em especial com a boa comida. Da minha observação dos espécimes no seu habitat natural, resultaram algumas conclusões (cheias de rigor cientifico, já se vê). Então é assim. As mulheres dividem-se essencialmente em dois grupos: as que têm fome e as que não.
 
As que têm fome, por sua vez, subdividem-se em:
 
A pessoana (a que finge que é dor a dor que deveras sente): É a mulher que já nasceu com fome, no entanto, à custa de muita concentração e aldrabice interior, convenceu-se ao longo da vida de que não tem fome coisa nenhuma ou de que, pelo menos, passa bem sem comer, obrigada. No entanto, e porque comer também é um acto social, gosta de afirmar que está cheia de fome, que está esganada, não se importando de o dizer alto e bom som porque é geralmente bastante magra (as gordas não gostam de dizer que estão esfomeadas: cai mal na vizinhança e chama a atenção para o que elas não querem mostrar). Escusado será dizer que, quando a comida lhe chega, debica mais do que come e fica cheia e a abarrotar ao fim de três garfadas. Desde muito cedo, este tipo de mulher aplica a si própria uma espécie de banda gástrica mental com resultados eficazes, embora implique um exercício psicológico permanente e muito rebuscado (são mulheres obrigatoriamente espertas, mas quase sempre com uma cabecinha um bocadinho marada).
A freudiana: É a que tem fome e que a esta sucumbe, intercalando raves gastronómicas com todo o tipo de dietas, com e sem químicos, reincidindo sempre quando estas terminam e, não raro, recuperando rapidamente o peso perdido. É o tipo mais comum: a mulher saudável com tempo a mais entre mãos e supermercados por perto, que come com gosto mas com culpa, flagelando-se pela farinheira do cozido e pela fatia de bolo de chocolate; culpa, essa, que tenta aplacar com o adoçante no café. Pode ou não martirizar-se ainda mais no ginásio, mas, para além de alguma firmeza muscular, não lhe adianta grande coisa, já que fica sempre em débito.
A agostiniana: Apesar da fome, e graças a uma disciplina férrea e a uma força de vontade que resultam seguramente de algum pacto com o demo, consegue conduzir o seu livre arbítrio no sentido de comer só um terço da lasanha, almoçar apenas uma salada e sopa, jantar iogurtes, mergulhar no cheesecake uma vez a cada dois meses, e mesmo assim ser razoavelmente feliz. É aquela mulher que eu, nos meus momentos e lucidez, quero ser quando for grande.
A franciscana: Canaliza a fome que tem para os seitans e os tofus acompanhados por velas de cheiro e mantras budistas na parede, praticando alegremente uma alimentação saudável e livre de proteína animal, e aproveitando assim para se convencer de que meio quilo de arroz integral e uma barra de chocolate sem lactose nem açúcar, não fazem mal nem engordam. Preocupada e consciente, vai ao Pingo Doce à rucola fresca e confecciona saladas coloridas com vários tipos de alface que fazem uma excelente refeição. É quase desprovida de culpa e os quilos que possa ter a mais não os atribui tanto aos hidratos de carbono nos cereais, mas mais ao facto de a caminhada do fim-de-semana ter sido apenas de cinquenta quilómetros, quando deveria ter sido de cem.
 
As que não têm fome, são, fundamentalmente:
 
A modelo/apresentadora/relações públicas de discoteca foleira, que finge que tem fome para parecer feliz e saudável. O procedimento é em tudo idêntico ao da pessoana, com a diferença de que aquela não gosta nem nunca gostou de comer e é por isso magra/magérrima, embora faça questão de dizer em público que adoooora comer, que come de tudo e que o seu prato favorito é feijoada, mas que nunca engorda nem vai ao ginásio, pois já nasceu assim, é genético, tal como a mãe e a avó. Esta, quando a comida lhe chega, tanto lhe faz como lhe fez e ingere apenas o suficiente para se manter de pé, fingindo que o faz com genuíno prazer, para se enquadrar no ambiente.
A  que não finge e que praticamente não come (não arranjei nome para esta, talvez infeliz?). É uma pessoa descompensada, que revela revela secura interior e frustração por não conseguir partilhar com outros um dos grandes prazeres da vida. É geralmente pouco sociável e tristonha, como se vivesse à parte, num permanente estado de dieta, coitada.
 
É claro que, depois, existem todas as outras:
 
As que sofrem de patologias como a anorexia e a bulimia (mas isso é outra conversa); e as que não se enquadram em nenhuma das categorias supra mas onde todas nós, queridas leitoras, achamos que nos inserimos, não é? As normais. Ou seja, as que não são gordas nem excessivamente magras, algures entre o 34 e o 38, e que não correspondem ao ideal anoréctico não obstante se acharem gajas boas; as que têm geralmente cuidado com a alimentação, pelo que passam diariamente um bocadinho de fomeca, embora seja coisa que se aguente; as que comem mais peixe grelhadinho do que bitoques, não obstante cometam um pecadilho aqui e ali, que de imediato compensam com horinhas extra no ginásio ou de jejum; as que, enfim, lidam bem com o apetite saudável que têm, que não as incomoda por aí além, e para quem fazer uma dietazita de vez em quando até contribui para o bem estar mental, ao invés de ficarem com um humor raivoso como seria de esperar...

 

(esta foi a parte da efabulação para efeitos de agradar a todas: assim mais ou menos como meio litro de häagen dazs dulce de leche - vá, admitam...)
 
 Escusado será dizer que, gordas ou magras, quase todas fazem exercício e se acham sempre com quilos a mais que precisam de abater como cães, pois carregam uma imagem distorcida de si próprias (implantada nelas como um chip alienígena) e que lhes é imposta pelos namorados, pelas revistas e pela sociedade em geral. No seu íntimo, levam a sério o frívolo mote “nunca se é rica demais nem magra demais” (os actuais padrões anorécticos de beleza são lixados), pelo que a boa comida nunca deixa de ser uma inimiga declarada, mesmo quando não é uma tentação.

 

De tudo,  retiro pois a seguinte fantástica, inteligentíssima e empírica conclusão: as magras, que gostam do seu corpo (socialmente aceitável), têm geralmente uma má relação com a comida, que desprezam ou fingem desprezar; as gordas, que gostam de comer bem, têm uma má relação com o seu corpo, que só não desprezam porque não podem. As ditas normais,  na sua maioria, oscilam entre uma e outra categoria, pelo que praticamente não existem.
 

(sim: isto é muito complicado, rapazes, acreditem, não tentem perceber...)

 

(agora vou almoçar, que hoje é dia de cozido aqui ao lado; a ver se não me esqueço do comprimidinho com fibras dos naturistas: aquele placebo que, ingefrido antes e com muita água, finge ocupar o espaço  guardado para a morcelinha de arroz...)

 

telejornal

por Vieira do Mar, em 15.10.08

Uma pessoa vê o telejornal e assiste a coisas extraordinárias:

 

 a) O Orçamento do Estado chegou várias horas atrasado ao Parlamento, o que é sem dúvida extraordinário se atentarmos que aquela gente está lá só mesmo para aquilo e tarefas afins. E depois vem aquele ministro inenarrável dizer que assume a “responsabilidade política” da cena. E isso quer dizer exactamente o quê? Qual a penalidade que vai sofrer? Uma falta de atraso e um aviso na caderneta?
 
b) Sócrates também chegou atrasado a uma cimeira europeia (fazer aqui copy paste do escrito em a) até ao ponto de interrogação). Instado pelos jornalistas, limitou-se a (mal-educadamente como é seu apanágio) dizer que tinha vindo num voo comercial. Ficámos assim a saber que a culpa do atraso foi do Falcon. Aquele que o primeiro-ministro, coitadinho, não tem ou não usa (imagino que por pruridos financeiros súbitos).
 
c) Já os pescadores da Ria de Aveiro estão revoltados porque não nos podem vender bivalves com toxinas. Para provar que comem os bichos e não morrem, refastelaram-se com eles no meio da rua (e efectivamente não morreram mas também não ficaram mais espertos). Parece que dão dez dias ao governo para que este os deixe intoxicar os clientes, porque se não ui. Mais um bocadinho e temos os pescadores de Aveiro a marcharem sobre a capital, rumo ao Parlamento, a exigirem o direito a envenenar os seus conterrâneos e alguns passantes ocasionais. Escusam é de ir muito cedo pois ainda se arriscam a dar com o nariz na porta,  que aquela gente - governo, deputados e isso - não é lá muito madrugadora para trabalhar, como se constata em a) e b).

 

 
 

 

"and I´m sorry Michael Palin to say you´re not the funniest palin anymore..."

por Vieira do Mar, em 15.10.08

Via Catarina, que por sua vez via Cool Mum, etc. etc.

beggin...

por Vieira do Mar, em 14.10.08

... beggin you....

eu te amo

por Vieira do Mar, em 11.10.08

(de vez em quando, voltar a casa)

roda da sorte

por Vieira do Mar, em 10.10.08

Acabei de ver uma edição especial da Roda da Sorte em que o Herman foi “apanhado” para um programa do Nuno Graciano (acho que se chama assim). Além de estar em grande forma como humorista (o programa é um gozo pegado), foi um profissionalão: perante a situação quase insustentável de um concorrente gago, uma concorrente a rir de nervos por causa do gago,  um terceiro furioso com a segunda e um quase linchamento desta por parte do público,  mostrou uma contenção e uma diplomacia bestiais. O artista continua um grande artista.

casamentos homossexuais

por Vieira do Mar, em 09.10.08

Sou completamente a favor do casamento entre pessoas do mesmo sexo. Há uns anos não; há uns anos, quando ainda usava blaisers, sapatos de fivela e camiseiros às riscas, e o meu cérebro tinha a marcha atrás engatada à conta do curso de Direito que acabara de tirar,  era contra. Porque achava que a instituição legal do casamento havia sido criada para pessoas de sexos diferentes, porque o fim primeiro do casamento seria a procriação  mesmo que os casados não quisessem ou não pudessem ter filhos; porque, não pretendendo coarctar os direitos de ninguém, achava que se eles (ou elas) quisessem unir legalmente os trapinhos que o fizessem, mas que lhe chamassem outra coisa qualquer e não "casamento" as we know it. Hoje, leio pessoas como o César das Neves e, além dos vómitos, sinto verdadeiro espanto por um dia ter pensado quase, quase, da mesma maneira. Hoje, acho que uma equivalência de direitos não se consegue com outra coisa qualquer, em especial no que concerne ao direito a ser feliz através de um compromisso mútuo que se quer ver jurídica e socialmente reconhecido em toda a sua dimensão (afectiva, conjugal, patrimonial). Se a questão das uniões de facto deu com os burrinhos na água (na prática, quase nada mudou), então que avancemos de vez para o casamento, hoje em dia  cada vez mais liberto de vocações ancestrais. Se calhar, esta é uma das vantagens de os anos passarem por nós: aos quarenta, sinto mesmo que o que mais interessa é ser-se feliz porque o tempo voa e que isso também passa - e muito - por facilitar a felicidade dos outros.  Parece-me simples.

amanhã

por Vieira do Mar, em 08.10.08

Apresentação da Rede PNET online, seguida de Conferência/Debate

Livraria Byblos Amoreiras, Lisboa
Dia 9 de Outubro 2008, 5ª feira, 18,30h
(Aberto ao Público)
"As formas outras da Língua Portuguesa"
As Crónicas, as Artes Plásticas e a Internet
Convidados
Álvaro Lobato Faria
(Director do MAC - Movimento de Arte Contemporânea)
Manuela Pinheiro
Pintora
Manuel S. Fonseca
(Administrador da Editora Guerra & Paz, Administrador Delegado da Valentim de Carvalho Filmes e Cronista do site PNET Homem)
Maria do Céu Brojo
(Coordenadora dos sites PNET Artes, PNET Homem e PNET Mulher)
Vítor Coelho da Silva
Administrador da rede PNET online
Diálogos na Byblos
www.redepnet.pt www.byblos.pt

 

 

coldplay, viva la vida

por Vieira do Mar, em 07.10.08

carjaquim e fernando por esticão

por Vieira do Mar, em 06.10.08

Os Gato Fedorento voltaram em grande forma. Aposto que o Alerta, totó!  cairá rapidamente nas bocas do mundo e tornar-se-á mote para "bocas" da miudagem, séries para posts e artigos de opinião;  por outro lado, ideias como a do Carjaquim são pura e simplesmente brilhantes. É impressionante, a capacidade que têm de juntar todas as gerações à volta de uma televisão. Graças a eles, regressaram os serões em família e, pelo menos durante aquela meia hora, ninguém briga pelo comando e faz-se silêncio, exceptuando o riso. Todos os méritos e mais alguns, portanto.  

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D