Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

...

por Vieira do Mar, em 30.12.07
todos os anos,

a feira de Novembro aqui na santa terrinha onde me encontro vem acoplada de uma excrescência: uma miserável tenda de circo, rodeada de jaulas fétidas e lamacentas, onde animais de todos os tipos e latitudes, desde camelos a elefantes e tigres, despojados de espaço, saúde e dignidade, vegetam tristemente. O circo com animais selvagens é um espectáculo medieval, cruel e degradante, e esconde todo o tipo de sevícias contra os bichos, que mereciam ter sido deixados na paz do senhor lá no seu habitat natural, em vez de sujeitos a um mimetismo forçado e ridículo para gáudio de umas centenas de labregos que riem muito, muito, quando a macaca levanta o saiote, o elefante diz adeus com a tromba ou a morsa bate palmas. Temos que defender estes animais, porque eles não o podem fazer sozinhos - é tão simples quanto isto. Os direitos dos animais, fomos nós, seres humanos, que os criámos, porque somos civilizados e percebemos que eles são criaturas em desvantagem que têm de ser protegidas, como as crianças ou os deficientes. Por isso, quando a violação desses direitos é tão flagrante que nos entra pelos olhos dentro, como é o caso, temos mais é que assinar petições e levá-las à assembleia, fazer muito barulho, indignarmo-nos publicamente, denunciarmos, cuspirmos na cara dos chen e dos cardinalis deste mundo e recusarmo-nos a servir-lhes bicas nos cafés. Mas, mais do que isso, temos todos de deixar de ir ao circo, cortando de vez com o seu sustento até serem obrigados a procurar trabalho nas obras. E temos também de ensinar aos nossos miúdos que aquilo não é diversão coisa nenhuma, para que nas próximas gerações já não seja preciso proibir nada, porque a coisa entretanto morreu de morte natural. E que eles saibam que existe uma hierarquia de seres humanos, sendo que os que maltratam animais estão na base da pirâmide.

Para ataques incontroláveis de fúria ou de choro, consoante o estado de espírito, vão aqui, aqui, aqui, aqui ou aqui.




E, já que estamos no tema, aqui fica uma homenagem à Lucky (que se foi embora neste Natal), a única cadelinha que conheço que dedicou a sua vida a criar ninhadas sucessivas de gatinhos órfãos. Espero que aí no ceú dos cães onde te encontras, minha querida, haja muitas galinhas para perseguires e seres feliz.


...

por Vieira do Mar, em 30.12.07
todos os anos,

a feira de Novembro aqui na santa terrinha onde me encontro vem acoplada de uma excrescência: uma miserável tenda de circo, rodeada de jaulas fétidas e lamacentas, onde animais de todos os tipos e latitudes, desde camelos a elefantes e tigres, despojados de espaço, saúde e dignidade, vegetam tristemente. O circo com animais selvagens é um espectáculo medieval, cruel e degradante, e esconde todo o tipo de sevícias contra os bichos, que mereciam ter sido deixados na paz do senhor lá no seu habitat natural, em vez de sujeitos a um mimetismo forçado e ridículo para gáudio de umas centenas de labregos que riem muito, muito, quando a macaca levanta o saiote, o elefante diz adeus com a tromba ou a morsa bate palmas. Temos que defender estes animais, porque eles não o podem fazer sozinhos - é tão simples quanto isto. Os direitos dos animais, fomos nós, seres humanos, que os criámos, porque somos civilizados e percebemos que eles são criaturas em desvantagem que têm de ser protegidas, como as crianças ou os deficientes. Por isso, quando a violação desses direitos é tão flagrante que nos entra pelos olhos dentro, como é o caso, temos mais é que assinar petições e levá-las à assembleia, fazer muito barulho, indignarmo-nos publicamente, denunciarmos, cuspirmos na cara dos chen e dos cardinalis deste mundo e recusarmo-nos a servir-lhes bicas nos cafés. Mas, mais do que isso, temos todos de deixar de ir ao circo, cortando de vez com o seu sustento até serem obrigados a procurar trabalho nas obras. E temos também de ensinar aos nossos miúdos que aquilo não é diversão coisa nenhuma, para que nas próximas gerações já não seja preciso proibir nada, porque a coisa entretanto morreu de morte natural. E que eles saibam que existe uma hierarquia de seres humanos, sendo que os que maltratam animais estão na base da pirâmide.

Para ataques incontroláveis de fúria ou de choro, consoante o estado de espírito, vão aqui, aqui, aqui, aqui ou aqui.




E, já que estamos no tema, aqui fica uma homenagem à Lucky (que se foi embora neste Natal), a única cadelinha que conheço que dedicou a sua vida a criar ninhadas sucessivas de gatinhos órfãos. Espero que aí no ceú dos cães onde te encontras, minha querida, haja muitas galinhas para perseguires e seres feliz.


...

por Vieira do Mar, em 29.12.07
les miserables


No telejornal da SIC, repórteres acompanham a Brigada de Trânsito e constatam in loco a prática de várias infracções por parte de automobilistas apanhados em flagrante. Uma reportagem fraca, porque subjectiva e carregadinha de juízos de valor. A dada altura, é mandado parar um Porsche (pareceu-me um Boxter), de acordo com a repórter, “um carro de alta cilindrada”, “típico de quem quer dar nas vistas”. Uma conclusão desnecessária, assente num juízo dispensável, que pode nem sequer ser verdadeiro. Para além do exibicionismo e da vontade irresponsável de acelerar no meio dos outros, existem inúmeras razões para que alguém - tendo possibilidades de o fazer, claro - compre um carro caro: a segurança, a estética ou o conforto acrescidos, entre outras. Ou então a pura e simples vontade de se passear numa coisa boa - facto que dá, obviamente, prazer à maior parte das pessoas normais. “Dar nas vistas” será apanágio apenas de alguns. A generalização apressada resulta de um preconceito recorrente: o de que quem tem coisas boas só as quer para se exibir perante os outros e não para seu próprio usufruto. É certo que a falta de vergonha, de gosto e de decoro de um certo novo riquismo contribuiu para o preconceito; mas também é verdade que o dito preconceito cresce e se alimenta de um miserabilismo de sinal contrário, invejoso e ressabiado, que também gostava de ter e que, ao reduzir a posse de um objecto bom e belo a um sentimento fútil e mesquinho, pretende diminuir quem tem.

...

por Vieira do Mar, em 29.12.07
les miserables


No telejornal da SIC, repórteres acompanham a Brigada de Trânsito e constatam in loco a prática de várias infracções por parte de automobilistas apanhados em flagrante. Uma reportagem fraca, porque subjectiva e carregadinha de juízos de valor. A dada altura, é mandado parar um Porsche (pareceu-me um Boxter), de acordo com a repórter, “um carro de alta cilindrada”, “típico de quem quer dar nas vistas”. Uma conclusão desnecessária, assente num juízo dispensável, que pode nem sequer ser verdadeiro. Para além do exibicionismo e da vontade irresponsável de acelerar no meio dos outros, existem inúmeras razões para que alguém - tendo possibilidades de o fazer, claro - compre um carro caro: a segurança, a estética ou o conforto acrescidos, entre outras. Ou então a pura e simples vontade de se passear numa coisa boa - facto que dá, obviamente, prazer à maior parte das pessoas normais. “Dar nas vistas” será apanágio apenas de alguns. A generalização apressada resulta de um preconceito recorrente: o de que quem tem coisas boas só as quer para se exibir perante os outros e não para seu próprio usufruto. É certo que a falta de vergonha, de gosto e de decoro de um certo novo riquismo contribuiu para o preconceito; mas também é verdade que o dito preconceito cresce e se alimenta de um miserabilismo de sinal contrário, invejoso e ressabiado, que também gostava de ter e que, ao reduzir a posse de um objecto bom e belo a um sentimento fútil e mesquinho, pretende diminuir quem tem.

...

por Vieira do Mar, em 27.12.07
benazir



não aponte o dedo

para benazir butho

seu puto

ela está de luto

pela morte do pai

não aponte o dedo

para benazir

esse dedo em riste

esse medo triste

é você

benazir resiste

o olho que existe

é o que vê

benazir,



Chico César

...

por Vieira do Mar, em 27.12.07
benazir



não aponte o dedo

para benazir butho

seu puto

ela está de luto

pela morte do pai

não aponte o dedo

para benazir

esse dedo em riste

esse medo triste

é você

benazir resiste

o olho que existe

é o que vê

benazir,



Chico César

...

por Vieira do Mar, em 27.12.07
os portugueses têm um comportamento anormal dentro dos aviões:
não só desatam a bater palmas no fim de cada aterragem, como se tivessem acabado de assistir a um número de circo, como, assim que o avião toca no chão, se levantam imediatamente do lugar e desatam a abrir as bagageiras, atafulhando-se com as muitas malas e sacos que, desconfiados, se recusaram a enviar para o porão. É que de nada adianta o please remain seated: ainda com o avião em processo de travagem, os flaps em esforço, e é vê-los a tropeçarem uns nos outros em desequilíbrio, a puxarem a bagagem para baixo enquanto ligam à fuçanga os telemóveis, na pressa de dizerem, muito alto, que já chegaram e que estão vivos. Se tivermos o azar de viajar com eles numa low cost na véspera de Natal, da Alemanha para Portugal, então, temos um bónus : o de os ver, em especial aos emigras de segunda geração (são sempre os piores, os da segunda geração, seja que tipo de emigras forem) a serem corridos pela tripulação, exasperada, por terem fumado nas casas de banho e ligado os telemóveis ainda no ar. Mortifica-me, a cada vez que saio e depois regresso, o retorno à falta de civismo, de nível, de cultura e do conhecimento mínimo das regras básicas de convivência; e desagrada-me, aquela desobediênciazinha cobarde, porque sem consequências, e aquele desviozinho à norma e ao estabelecido para todos, que se limita a prejudicar um bocadinho os outros e a chateá-los, tão típico destes heróis do mar. O português, infelizmente, continua ainda, para os outros, demasiado parecido com a caricatura do que é ser-se português: uma criatura folclórica que come bacalhau e fala demasiado alto e que, na escala civilizacional, se situa um bocado acima de um marroquino, mas definitivamente abaixo de um espanhol.

...

por Vieira do Mar, em 27.12.07
os portugueses têm um comportamento anormal dentro dos aviões:
não só desatam a bater palmas no fim de cada aterragem, como se tivessem acabado de assistir a um número de circo, como, assim que o avião toca no chão, se levantam imediatamente do lugar e desatam a abrir as bagageiras, atafulhando-se com as muitas malas e sacos que, desconfiados, se recusaram a enviar para o porão. É que de nada adianta o please remain seated: ainda com o avião em processo de travagem, os flaps em esforço, e é vê-los a tropeçarem uns nos outros em desequilíbrio, a puxarem a bagagem para baixo enquanto ligam à fuçanga os telemóveis, na pressa de dizerem, muito alto, que já chegaram e que estão vivos. Se tivermos o azar de viajar com eles numa low cost na véspera de Natal, da Alemanha para Portugal, então, temos um bónus : o de os ver, em especial aos emigras de segunda geração (são sempre os piores, os da segunda geração, seja que tipo de emigras forem) a serem corridos pela tripulação, exasperada, por terem fumado nas casas de banho e ligado os telemóveis ainda no ar. Mortifica-me, a cada vez que saio e depois regresso, o retorno à falta de civismo, de nível, de cultura e do conhecimento mínimo das regras básicas de convivência; e desagrada-me, aquela desobediênciazinha cobarde, porque sem consequências, e aquele desviozinho à norma e ao estabelecido para todos, que se limita a prejudicar um bocadinho os outros e a chateá-los, tão típico destes heróis do mar. O português, infelizmente, continua ainda, para os outros, demasiado parecido com a caricatura do que é ser-se português: uma criatura folclórica que come bacalhau e fala demasiado alto e que, na escala civilizacional, se situa um bocado acima de um marroquino, mas definitivamente abaixo de um espanhol.

...

por Vieira do Mar, em 26.12.07
fartinhos das filhozes oleosas e da gritaria da parentada?
Então fujam para uma qualquer divisão da casa que tenha televisão e liguem a dois: está a dar um documentário com Chico Buarque, À Flor da Pele. Neste momento, Caetano canta “Sem Fantasia” e eu sou uma mulher feliz à beirinha das lágrimas. Corram, incréus!

...

por Vieira do Mar, em 26.12.07
fartinhos das filhozes oleosas e da gritaria da parentada?
Então fujam para uma qualquer divisão da casa que tenha televisão e liguem a dois: está a dar um documentário com Chico Buarque, À Flor da Pele. Neste momento, Caetano canta “Sem Fantasia” e eu sou uma mulher feliz à beirinha das lágrimas. Corram, incréus!

Pág. 1/5

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D