Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

...

por Vieira do Mar, em 29.05.07
Antes de começar a histeria do costume, vamos lá a (primeiro) ler o Acordão na sua totalidade, sim?

...

por Vieira do Mar, em 29.05.07
Antes de começar a histeria do costume, vamos lá a (primeiro) ler o Acordão na sua totalidade, sim?

...

por Vieira do Mar, em 29.05.07
Ufa, até que enfim, alguém! Embora isto seja lamentável.





Porque ela é linda, João.

...

por Vieira do Mar, em 29.05.07
Ufa, até que enfim, alguém! Embora isto seja lamentável.





Porque ela é linda, João.

...

por Vieira do Mar, em 29.05.07
Eu até gosto de Helena Roseta; é inteligente, esperta, tem convicções e põe muitas vezes o dedo na ferida, apesar de não ter sido autarca assim de muito boa memória. Agora, isto de sair do P.S., que não a quis como sua candidata (porque, simplesmente, tem melhor), apresentando-se como independente, soa um bocado ao cão que morde a mão que lhe dá de comer. Roseta não sai porque esteja desiludida, tenha deixado de acreditar no programa do partido, ou coisa do género. Não: sai, porque tem uma ambição política específica. Acontece que a sua ambição vai ser claramente prejudicial ao P.S., pois roubar-lhe-á votos e, se calhar, impedirá que António Costa tenha uma maioria decente que lhe permita mexer a sério em Lisboa. Ainda por cima temo que, como vereadora, venha a ser um segundo "Zé": um(a) empata insuportável, apesar dos bons propósitos. A falta de lealdade é uma coisa trágica, muito feia, e ninguém deveria ser premiado por isso. Desejo-lhe votação zero.

...

por Vieira do Mar, em 29.05.07
Eu até gosto de Helena Roseta; é inteligente, esperta, tem convicções e põe muitas vezes o dedo na ferida, apesar de não ter sido autarca assim de muito boa memória. Agora, isto de sair do P.S., que não a quis como sua candidata (porque, simplesmente, tem melhor), apresentando-se como independente, soa um bocado ao cão que morde a mão que lhe dá de comer. Roseta não sai porque esteja desiludida, tenha deixado de acreditar no programa do partido, ou coisa do género. Não: sai, porque tem uma ambição política específica. Acontece que a sua ambição vai ser claramente prejudicial ao P.S., pois roubar-lhe-á votos e, se calhar, impedirá que António Costa tenha uma maioria decente que lhe permita mexer a sério em Lisboa. Ainda por cima temo que, como vereadora, venha a ser um segundo "Zé": um(a) empata insuportável, apesar dos bons propósitos. A falta de lealdade é uma coisa trágica, muito feia, e ninguém deveria ser premiado por isso. Desejo-lhe votação zero.

...

por Vieira do Mar, em 28.05.07
o post sobre a notícia sobre a falta de notícia


Por entre a histeria mediática que começa a feder e a fazer-nos perder a noção do que é verdadeiramente importante, estranhei, a frieza ensaiada dos pais de Madeleine, a desresponsabilizarem-se perante as câmaras de televisão. Dir-se-á que tudo lhes é permitido, que tudo vale, para que a questão não caia no esquecimento e para que, por momentos, se aliviem do terrível fardo que carregam. Mesmo que, apenas, para que as pessoas (sempre tão fáceis a apontar o dedo) discordem, critiquem, acusem, estranhem: enquanto o rosto daquela criança estiver bem vivo na nossa memória, nas nossas palavras, quem sabe um de nós não a reconhecerá na esquina. Basta uma hipótese, por mais que remota. Futebolistas, actores, ministros, príncipes, o Papa: venham eles. Entretanto, a nossa desastrosa polícia, pressionada pelo exibicionismo do modus operandi anglo-saxónico, aparece três semanas depois com um extemporâneo "aviso" sobre um alegado "suspeito", cuja descrição corresponde para aí a um terço da população portuguesa. E depois os media, que entretanto já falam da falta de assunto dos media. E nós, que já escrevemos sobre os media que falam da falta de assunto dos media. Sim, tudo lhes é permitido, a eles, aos pais, em nome desta dor que deve ser a maior de todas, um luto jamais cumprido, a vida a oscilar entre o puro desespero e a mais absurda das esperanças. Não quero nem imaginar. Mas começa a desenhar-se-nos a sensação de que tudo isto está a ficar fora de controlo, a distanciar-se do seu propósito inicial. Isso é bom ou mau? Se pensarmos que todo este barulho poderá ter um, mesmo que apenas ligeiro, efeito dissuasor em casos futuros, já terá valido a pena. Sim, talvez por aí. Os potenciais raptores, sabendo que o mundo acorda agora mais atento, mais alerta: em cada cidadão um vigia. No entanto, há qualquer coisa de quase imoral, na cronometragem mediática do espectáculo da dor dos pais e da solidariedade alheia, que pode, a curto prazo, pôr em causa os sentimentos naturais de empatia e de compreensão, por parte da opinião pública para com o casal McCann. Não se trata da desproporção comparativa dos meios empregues nesta investigação(ou, pelo menos, não deveria sê-lo): não é neste caso, que tais meios são de mais; é nos outros casos, anteriores a este, de outras crianças desaparecidas (e não só portuguesas: esta situação não tem paralelo no mundo inteiro), que tais meios terão sido, lamentavelmente, de menos. Mas começa a notar-se uma inevitável saturação da atenção das pessoas que, tarda nada, começarão a fechar os olhos, a olhar para o lado e a mudar de canal, fartas de missas, passeios, viagens, cenas do dia-a-dia, directos do aldeamento e do portão fechado de uma vivenda onde nada acontece. A continuar assim, a acentuar-se este efeito perverso, até o famoso ursinho de peluche nas mãos daquela mãe será, um dia e injustamente, apontado como um recurso fabricado para manter viva a compaixão pública, entretanto tornada céptica. Vantagens de facto (no sentido de, por via delas, alguém ficar efectivamente mais perto de saber o que aconteceu à criança) neste insuflar artificial da tenda do circo mediático que envolve o casal, é que me parece não haver lá muitas.

...

por Vieira do Mar, em 28.05.07
o post sobre a notícia sobre a falta de notícia


Por entre a histeria mediática que começa a feder e a fazer-nos perder a noção do que é verdadeiramente importante, estranhei, a frieza ensaiada dos pais de Madeleine, a desresponsabilizarem-se perante as câmaras de televisão. Dir-se-á que tudo lhes é permitido, que tudo vale, para que a questão não caia no esquecimento e para que, por momentos, se aliviem do terrível fardo que carregam. Mesmo que, apenas, para que as pessoas (sempre tão fáceis a apontar o dedo) discordem, critiquem, acusem, estranhem: enquanto o rosto daquela criança estiver bem vivo na nossa memória, nas nossas palavras, quem sabe um de nós não a reconhecerá na esquina. Basta uma hipótese, por mais que remota. Futebolistas, actores, ministros, príncipes, o Papa: venham eles. Entretanto, a nossa desastrosa polícia, pressionada pelo exibicionismo do modus operandi anglo-saxónico, aparece três semanas depois com um extemporâneo "aviso" sobre um alegado "suspeito", cuja descrição corresponde para aí a um terço da população portuguesa. E depois os media, que entretanto já falam da falta de assunto dos media. E nós, que já escrevemos sobre os media que falam da falta de assunto dos media. Sim, tudo lhes é permitido, a eles, aos pais, em nome desta dor que deve ser a maior de todas, um luto jamais cumprido, a vida a oscilar entre o puro desespero e a mais absurda das esperanças. Não quero nem imaginar. Mas começa a desenhar-se-nos a sensação de que tudo isto está a ficar fora de controlo, a distanciar-se do seu propósito inicial. Isso é bom ou mau? Se pensarmos que todo este barulho poderá ter um, mesmo que apenas ligeiro, efeito dissuasor em casos futuros, já terá valido a pena. Sim, talvez por aí. Os potenciais raptores, sabendo que o mundo acorda agora mais atento, mais alerta: em cada cidadão um vigia. No entanto, há qualquer coisa de quase imoral, na cronometragem mediática do espectáculo da dor dos pais e da solidariedade alheia, que pode, a curto prazo, pôr em causa os sentimentos naturais de empatia e de compreensão, por parte da opinião pública para com o casal McCann. Não se trata da desproporção comparativa dos meios empregues nesta investigação(ou, pelo menos, não deveria sê-lo): não é neste caso, que tais meios são de mais; é nos outros casos, anteriores a este, de outras crianças desaparecidas (e não só portuguesas: esta situação não tem paralelo no mundo inteiro), que tais meios terão sido, lamentavelmente, de menos. Mas começa a notar-se uma inevitável saturação da atenção das pessoas que, tarda nada, começarão a fechar os olhos, a olhar para o lado e a mudar de canal, fartas de missas, passeios, viagens, cenas do dia-a-dia, directos do aldeamento e do portão fechado de uma vivenda onde nada acontece. A continuar assim, a acentuar-se este efeito perverso, até o famoso ursinho de peluche nas mãos daquela mãe será, um dia e injustamente, apontado como um recurso fabricado para manter viva a compaixão pública, entretanto tornada céptica. Vantagens de facto (no sentido de, por via delas, alguém ficar efectivamente mais perto de saber o que aconteceu à criança) neste insuflar artificial da tenda do circo mediático que envolve o casal, é que me parece não haver lá muitas.

...

por Vieira do Mar, em 25.05.07
e já agora...

... Mário Lino pode ser um rústico, mas tem toda a razão. O resto é, de facto, paisagem.

...

por Vieira do Mar, em 25.05.07
e já agora...

... Mário Lino pode ser um rústico, mas tem toda a razão. O resto é, de facto, paisagem.

Pág. 1/5

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D