Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

...

por Vieira do Mar, em 20.05.06


(tantos e tão giros... só maçadas)

...

por Vieira do Mar, em 20.05.06


(tantos e tão giros... só maçadas)

...

por Vieira do Mar, em 12.05.06
Caras bloggers e leitoras em geral,

para que saibam, não vale grande coisa, o último filme do Spike Lee: o Denzel Washington está de bigodinho e o Clive Owen aparece dois terços do filme com a cara tapada. Lamentável. Por outro lado, o twist final de que fala a crítica nos jornais, não o é (cambada de totós, mas qual twist qual quê!). À boa maneira de uma spike lee joint, os diálogos são irresistivelmente inteligentes e alguns planos de câmara são quase geniais. Apesar dos ameaços, e estranhamente, não há nenhuma cena de sexo escaldante entre afro-americanos, e a ideia de pôr a eterna-campónia-clarice-jodie-foster a fazer de uma sofisticada upper class bich novaiorquina, só pode ser para rir: não via tamanho miscasting desde que o Oliver Stone pôs a Angelina Jolie a fazer de mãe do Alexandre o Grande.

No entanto. Nos poucos grandes planos em que aparece, Clive Owen fala baixo e pausadamente, olha directamente para a câmara, ameaça com aquele sorriso meio trocista que lhe conhecemos e apresenta uma barba de três dias na carinha de boxeur amachucado, conforme ilustração junta:




Portanto, companheira, palhaça, amiga: se és daquelas que não se coíbe nas manifestações verbais de excitação física e se baba com facilidade, leva uma caixa de Kleenexes e vai ver o filme com uma amiga ou com o teu amigo gay, e esquece o marido ou o namorado em casa.


(Ah! E a música é gira e por isso já cá canta ... e toca!).

...

por Vieira do Mar, em 12.05.06
Caras bloggers e leitoras em geral,

para que saibam, não vale grande coisa, o último filme do Spike Lee: o Denzel Washington está de bigodinho e o Clive Owen aparece dois terços do filme com a cara tapada. Lamentável. Por outro lado, o twist final de que fala a crítica nos jornais, não o é (cambada de totós, mas qual twist qual quê!). À boa maneira de uma spike lee joint, os diálogos são irresistivelmente inteligentes e alguns planos de câmara são quase geniais. Apesar dos ameaços, e estranhamente, não há nenhuma cena de sexo escaldante entre afro-americanos, e a ideia de pôr a eterna-campónia-clarice-jodie-foster a fazer de uma sofisticada upper class bich novaiorquina, só pode ser para rir: não via tamanho miscasting desde que o Oliver Stone pôs a Angelina Jolie a fazer de mãe do Alexandre o Grande.

No entanto. Nos poucos grandes planos em que aparece, Clive Owen fala baixo e pausadamente, olha directamente para a câmara, ameaça com aquele sorriso meio trocista que lhe conhecemos e apresenta uma barba de três dias na carinha de boxeur amachucado, conforme ilustração junta:




Portanto, companheira, palhaça, amiga: se és daquelas que não se coíbe nas manifestações verbais de excitação física e se baba com facilidade, leva uma caixa de Kleenexes e vai ver o filme com uma amiga ou com o teu amigo gay, e esquece o marido ou o namorado em casa.


(Ah! E a música é gira e por isso já cá canta ... e toca!).

...

por Vieira do Mar, em 10.05.06
lá está...

(mais um teste que retrata o meu innerself)


"E às 5 e meia em ponto, telefonas-me a dizer /Não sei viver sem ti amor, não sei o que fazer. Faz-me favas com chouriço, o meu prato favorito / Quando chego pra jantar, quase nem acredito. Vestiste-te de branco, uma flor nos cabelos / Os miúdos na cama e acendeste a fogueira.Vou ficar a vida inteira a viver dessa maneira, / Eu e tu, e tu e eu, e tu e eu e tu.




"Você é A Pouco e Pouco : aparentemente, você é um cidadão pacato e respeitável, com uma vida banal dividida entre o seu lar e o seu emprego. Porém, e apesar do seu assumido gosto pelas coisas simples e quotidianas da vida e da realidade portuguesa, esconde manias bizarras."


Via Cai Neve em Nova Iorque

...

por Vieira do Mar, em 10.05.06
lá está...

(mais um teste que retrata o meu innerself)


"E às 5 e meia em ponto, telefonas-me a dizer /Não sei viver sem ti amor, não sei o que fazer. Faz-me favas com chouriço, o meu prato favorito / Quando chego pra jantar, quase nem acredito. Vestiste-te de branco, uma flor nos cabelos / Os miúdos na cama e acendeste a fogueira.Vou ficar a vida inteira a viver dessa maneira, / Eu e tu, e tu e eu, e tu e eu e tu.




"Você é A Pouco e Pouco : aparentemente, você é um cidadão pacato e respeitável, com uma vida banal dividida entre o seu lar e o seu emprego. Porém, e apesar do seu assumido gosto pelas coisas simples e quotidianas da vida e da realidade portuguesa, esconde manias bizarras."


Via Cai Neve em Nova Iorque

...

por Vieira do Mar, em 10.05.06
Ver ou rever "A Lista de Schindler" é como levar com um enorme pedregulho nos cornos. É o melhor e o mais adulto filme de Spielberg, e o único onde ele revelou todo o seu génio. Depois deste filme, tem sido sempre a descer. É maravilhoso, belíssimo, insuportável de se ver e comove ao ponto da náusea, do primeiro ao último minuto. Foda-se.

...

por Vieira do Mar, em 10.05.06
Ver ou rever "A Lista de Schindler" é como levar com um enorme pedregulho nos cornos. É o melhor e o mais adulto filme de Spielberg, e o único onde ele revelou todo o seu génio. Depois deste filme, tem sido sempre a descer. É maravilhoso, belíssimo, insuportável de se ver e comove ao ponto da náusea, do primeiro ao último minuto. Foda-se.

...

por Vieira do Mar, em 09.05.06
minha querida,

Estás terminantemente proibida de fazeres o disparate que eu fiz e de acabares com qualquer um dos teus blogues. Eu explico-te porquê. Como bem sabes, as pessoas raramente são o que parecem: quando as conhecemos, trazem já o lastro de muita outra gente agarrado às suas caudas. Esses, os que vêm a reboque dos que entram nas nossas vidas assim como cometas, entendem que antiguidade é post(o) e arrogam-se coisas. Direitos. Quer sejam gentis e generosos ou invejosos e ressabiados, escrutinam-nos e esmiuçam-nos, na busca de vestígios palpáveis desse cometa a que resolveram um dia atrelar-se. E nós, entretanto, algures na nossa vidinha, a brincarmos aos afectos (sejam eles de que natureza forem) com o cometa. Tu, portanto, na tua: sem saberes que existem movimentações várias na retaguarda, sem sonhares com estratégias que se acertam, por parte de quem presume saber sobre ti, à conta da exposição por que um dia optaste.

Tu, a leste (sempre a leste), continuas a escrever, apenas (pensas tu e bem) para os que gostam de ti ou, pelo menos, para os que gostam do que escreves. Não queres saber de maquinações nem de conspirações, nem, muito menos, de quem sabe o quê sobre quem e para quê. Continuas a escrever e a falar sobre a tua pessoa e aqueles de quem mais gostas, bem como sobre as pequenas e grandes coisas que te vão acontecendo. Dás opiniões. Estás-te nas tintas para que te dissequem vírgulas e sentidos, e até achas graça a que te roguem pragas por viveres à tua maneira. Até que, um dia, surge uma criatura obscura que nem nome tem, na posse de coisas que seriam só tuas e, eventualmente, de outrém. Coisas que em si nada são e que tu sabes não vir grande mal ao mundo que se saibam, não fosse dar-se o caso de serem bocados do teu interior, ruminados vezes sem conta nas tuas entranhas, digeridos com os teus quimo e quilo, oxigenados nos teus pulmões. Sentes-te devassada, violada, virada do avesso; foste vítima de uma cirurgia invasiva, a sangue-frio. Saberes que aquele alguém sabe aquilo é muito pior do que aquilo (que nem segredo é) ter saído nas parangonas de todos os jornais diários do país. É uma sensação horrível. Porque tu nunca te importaste um corno sobre o que pudessem dizer de ti, nem que te chamassem nomes, que te invejassem e criticassem, que escarrapachassem quem és, onde moras e onde trabalhas - com isso sempre pudeste bem, até porque pouco ou nada tens a esconder. Agora, a baba e ranho que te corre por dentro, nas veias, tu é que escolhes, onde e quando a verter para fora - TU, e não outros.

Urge-te, por isso, pores um ponto final em qualquer coisa, sentes-te até ligeiramente culpada pelo que aconteceu, de alguma maneira ter-lhe-ás dado azo. Parece-te deveras importante, o assalto que sofreste, foste traída e queres livrar-te a todo o custo do fedor da intrusão que se te colou à pele. Mas não te esqueças, minha querida: o cometa, por esta altura, já lá vai espaço fora, com a gente do costume pendurada, a reboque da vida alheia, numa relação de simbiose que lembra a dos animais, coças-me o lombo, dou-te um insecto. Enquanto tu, continuas com a tua vida: razoavelmente feliz, cheia, independente, inspirada, a achares que o que escreves só é lido por quem te gosta, que essa é a verdade só a verdade e nada mais do que verdade.

E é mesmo: o que escreves só é lido por quem te gosta. Repara, este post, por exemplo, é só para ti. É ou não é? E, na nossa vida, este espacinho limitado por fronteiras curtas mas carregadinhas de guardas republicanos atentos ao contrabando, só deve haver lugar para quem nos gosta e vice-versa. O resto é paisagem: paisagem desbotada, cócegas no coração, névoas matinais e caudas de cometa. Puf!

:)

...

por Vieira do Mar, em 09.05.06
minha querida,

Estás terminantemente proibida de fazeres o disparate que eu fiz e de acabares com qualquer um dos teus blogues. Eu explico-te porquê. Como bem sabes, as pessoas raramente são o que parecem: quando as conhecemos, trazem já o lastro de muita outra gente agarrado às suas caudas. Esses, os que vêm a reboque dos que entram nas nossas vidas assim como cometas, entendem que antiguidade é post(o) e arrogam-se coisas. Direitos. Quer sejam gentis e generosos ou invejosos e ressabiados, escrutinam-nos e esmiuçam-nos, na busca de vestígios palpáveis desse cometa a que resolveram um dia atrelar-se. E nós, entretanto, algures na nossa vidinha, a brincarmos aos afectos (sejam eles de que natureza forem) com o cometa. Tu, portanto, na tua: sem saberes que existem movimentações várias na retaguarda, sem sonhares com estratégias que se acertam, por parte de quem presume saber sobre ti, à conta da exposição por que um dia optaste.

Tu, a leste (sempre a leste), continuas a escrever, apenas (pensas tu e bem) para os que gostam de ti ou, pelo menos, para os que gostam do que escreves. Não queres saber de maquinações nem de conspirações, nem, muito menos, de quem sabe o quê sobre quem e para quê. Continuas a escrever e a falar sobre a tua pessoa e aqueles de quem mais gostas, bem como sobre as pequenas e grandes coisas que te vão acontecendo. Dás opiniões. Estás-te nas tintas para que te dissequem vírgulas e sentidos, e até achas graça a que te roguem pragas por viveres à tua maneira. Até que, um dia, surge uma criatura obscura que nem nome tem, na posse de coisas que seriam só tuas e, eventualmente, de outrém. Coisas que em si nada são e que tu sabes não vir grande mal ao mundo que se saibam, não fosse dar-se o caso de serem bocados do teu interior, ruminados vezes sem conta nas tuas entranhas, digeridos com os teus quimo e quilo, oxigenados nos teus pulmões. Sentes-te devassada, violada, virada do avesso; foste vítima de uma cirurgia invasiva, a sangue-frio. Saberes que aquele alguém sabe aquilo é muito pior do que aquilo (que nem segredo é) ter saído nas parangonas de todos os jornais diários do país. É uma sensação horrível. Porque tu nunca te importaste um corno sobre o que pudessem dizer de ti, nem que te chamassem nomes, que te invejassem e criticassem, que escarrapachassem quem és, onde moras e onde trabalhas - com isso sempre pudeste bem, até porque pouco ou nada tens a esconder. Agora, a baba e ranho que te corre por dentro, nas veias, tu é que escolhes, onde e quando a verter para fora - TU, e não outros.

Urge-te, por isso, pores um ponto final em qualquer coisa, sentes-te até ligeiramente culpada pelo que aconteceu, de alguma maneira ter-lhe-ás dado azo. Parece-te deveras importante, o assalto que sofreste, foste traída e queres livrar-te a todo o custo do fedor da intrusão que se te colou à pele. Mas não te esqueças, minha querida: o cometa, por esta altura, já lá vai espaço fora, com a gente do costume pendurada, a reboque da vida alheia, numa relação de simbiose que lembra a dos animais, coças-me o lombo, dou-te um insecto. Enquanto tu, continuas com a tua vida: razoavelmente feliz, cheia, independente, inspirada, a achares que o que escreves só é lido por quem te gosta, que essa é a verdade só a verdade e nada mais do que verdade.

E é mesmo: o que escreves só é lido por quem te gosta. Repara, este post, por exemplo, é só para ti. É ou não é? E, na nossa vida, este espacinho limitado por fronteiras curtas mas carregadinhas de guardas republicanos atentos ao contrabando, só deve haver lugar para quem nos gosta e vice-versa. O resto é paisagem: paisagem desbotada, cócegas no coração, névoas matinais e caudas de cometa. Puf!

:)

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D