Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

de repente não mais que de repente *

por Vieira do Mar, em 16.05.09

Foi então que ela  percebeu. Estavam sentados na esplanada, numa tarde que prometia mais Verão do que aquele que de facto dava, a gozarem os minutos  surripiados a outra coisa qualquer e a fazerem conversa fácil. Nada na coreografia banal com que acompanhavam as palavras  fazia adivinhar a intimidade que os burilava por dentro e muito menos o assanhado dos gestos de horas antes. A incongruência corria-lhes fundo, por baixo de camadas de superfície. Enquanto ele falava, ela notou o cheiro do jasmim que tropeçava e caía pelo ar em socalcos adocicados,  enquanto as suas hastes de flores pequenas e brancas se contorciam num caramanchão próximo. Interessava-lhe medianamente o que ele fazia, e sabia o suficiente de homens para perceber que estes precisam que as mulheres os valorizem, por vezes mais do que gostem deles, por isso ouvia-o com alguma atenção. Embora guardasse dentro dos olhos um carinho que resolvera travestir de ironia, por causa das coisas. Ele achava que o que fazia o tornava mais interessante aos olhos dos outros, logo, aos olhos dela,  sem perceber que ela o escutaria da mesma forma se ele um trolha que estivesse a educá-la na consistência ideal do cimento-cola ou nas vantagens do tijolo de quinze. Estava a aprender, gostava de quem a estava a ensinar, e isso bastava-lhe. De repente, algures pelo meio do entusiasmo por si mesmo, voou-lhe um perdigoto que lhe assentou mesmo no meio do lábio inferior. Continuou a falar sem reparar no pormenor, que é um tipo de pormenor um bocadinho nojento, como quando ficamos com restos de espinafre entre os dentes e nos rimos para os restantes comensais, que nos olham entre o embaraço,  a vontade de nos avisar e a náusea.  Ela  fixou-se  naquele  pontinho  de  cuspo  branco,  que brilhava translúcido por obra e graça da obliquidade precoce  do  sol  da  tarde,  e pensou, embora sem realmente  pensar  em nada,   lambia-te isso, agora. E foi aqui,  neste exacto momento,  no momento que precedeu aquele em que a língua dele varou os lábios e fez desaparecer o perdigoto solitário,  que percebeu que estava perdida. Irremediavelmente perdida. Para se distrair do absurdo da constatação, inalou com redobrada convicção o jasmim em queda pelo ar e lembrou-se de  como detestava aquele cheiro  que quase a fazia vomitar.  Sempre fora uma enjoadinha.  

 

* Vinicius, claro, também de improviso, fora de contexto e muito por acaso

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2004
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D