Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

o anónimo sexy que não quer ser erótico

por Vieira do Mar, em 05.01.09

 Os homens por vezes são de uma ingenuidade alarmante, mesmo aqueles que, supostamente, conheceram/comeram dezenas de mulheres. Há um blogue sobre sexo que despertou a minha curiosidade. O autor escreve bem, com fluidez e graça e, nalguns casos, consegue aquele que deve ser o objectivo último da escrita sobre sexo: dá-nos vontade de o ir fazer. É claro que, confessando ele (em itálico, que isto nunca fiando) ser alguém conhecido na blogoesfera que optou por um outro registo (já conheci eufemismos melhores)  e havendo qualquer coisa no estilo que me soou familiar, meti-me com ele por mail, na brincadeira, tentando sacar nabos da púcara. A resposta veio anónima,  séria, educada e fria, mantendo a distância que (julgou) eu estava a tentar transpor. Igualmente frias e educadas  são as respostas aos comentários libidinosos que começaram já a aparecer por lá. E é aqui, a par com a boa educação,  que entra a ingenuidade. Que é a da pressupor que basta um homem assumir-se casado e pai de filhos, no perfil, para manter as malucas ao largo. Achará ele que tal declaração de interesses o protegerá como um escudo mágico contra as investidas furiosas das centenas de fêmeas solitárias e mal comidas que aguardam pacientemente  por uma amostra de romance proibido nas suas vidas e que, de caminho, alguém lhes ensine o kanguru perneta? Ainda por cima, resolve separar as águas entre foder e fazer amor:  se as putativas já suspiravam em frémito com as gráficas descrições que faz dos vislumbres de vaginas,  com tal distinção deixa-as definitivamente de quatro, ora aqui está um homem bom na cama  que ainda por cima sabe amar (suspiros). Provavelmente vem de um blogue sério, talvez político e de centro-direita, habituado ao exercício polido do contraditório;  para ele, “selvagem” só mesmo o capitalismo, que se calhar defende. Mas vê-se que não está familiarizado com a selvajaria que o anonimato sempre arrasta atrás de si, nem com a ferocidade da punhetice virtual,  achando que não está aqui para engordar o filão da memorabilia erótica dos nerds da net, até porque não se considera um nerd. Mas é; aliás, somos todos tendencialmente nerds, pelamordedeus. Perguntem lá a alguém de fora dos blogues o que é que acha de estarmos aqui horas, em frente a um ecrã, a escrevermos uns para os outros sem nos conhecermos, a vermos sitemeters e technoratis e a comentarmo-nos como se não houvesse amanhã… Tão nerd, que se sentiu na necessidade de explicar o porquê do anonimato (como se este fosse uma doença que contraiu voluntariamente e por necessidade) e de elencar que, apesar de ir escrever sobre sexo, nunca utilizará certas expressões de mau gosto. As if. Quanto à sua escrita, espera que nenhuma doméstica ou professora em greve a considere erótica, que disparate!,  e que não se ponha a lê-lo de dildo na mão, pois esse não é o seu objectivo. Aqui, a ingenuidade atinge os píncaros: achar que aquilo que escreve vai ser entendido exactamente de acordo com a intenção que se teve quando se escreveu. Been there, done that. A maior parte das pessoas não distingue entre O meu pipi e aquele boçal do Porto que só arrota e vomita caralhadas. Enformada por pressupostos morais e religiosos e/ou por uma estupidez inata, ou acha que é ordinário e ri muito, ou acha que é ordinário e que por isso não tem graça nenhuma.  A maior parte das pessoas, acha  que um tipo casado que desfila para um blogue experiências sexuais passadas, preferências e parafilias, quer é conversa, por isso vamos dar-lha . E a conversa vai seguramente baixar de nível e subir de interesse. Fala quem já cá está há quase cinco anos (agora ando com esta mania: acho que a antiguidade no posto me confere autoridade, por isso não me lixem) e já escreveu sobre sexo puro e duro, como anónima e com o nome próprio (na verdade, desbronco-me sempre), em especial num blogue colectivo que tinha comentários abertos.  Selvajaria. Desconfio que, muito em breve, ou se lhe vai a polidez e a educação ou se acaba o blogue. Sim, sim, já sei: estão desejosos de saber de que blogue falo, não é, seus marotos? Ah, mas isso deixo que descubram por vós - sim, que eu também tenho os meus momentos de interactividade galhofeira com os leitores.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2004
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D