Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

cuidado, Portugal!

por Vieira do Mar, em 20.10.08

À primeira vista, a já famosa cena da acção de formação sobre o Magalhães dá vontade de rir. Uma data de professores-palhaço, a alinharem em duvidosos números de circo. Números esses, por aquilo que me contam, não muito diferentes de certos eventos de outdoor e de team building nas grandes empresas. Ainda à primeira vista, os infelizes apanhados no vídeo fazem o que fazem pois só assim se poderiam candidatar ao sorteio de um Magalhães. A uma segunda vista, aquilo lembra o ensaio de uma  propaganda fascista ou comunista; e a uma terceira vista é muito mais do que isso: é  um sintoma  do totalitarismo do Estado que, insidiosamente, está a tomar conta da sociedade portuguesa  (que dorme, anestesiada). Um sintoma do medo que grassa actualmente  pela função pública e que leva as pessoas a fazerem certas coisas estúpidas que lhes são pedidas.  Um medo revelado pela multiplicação de ordens de serviço, de memorandos internos e de sugestões de actuação, destinados aos funcionários, à arraia miúda que,  assustada com a crise, com os despedimentos, a prestação da casa, não questiona duas vezes. Um outro sintoma é a intoxicação televisiva da imagem de Sócrates. Como um  verdadeiro Grande Líder, o primeiro-ministro não dá descanso ao seu povo: ele inaugura isto, ele distribui aquilo, ele visita aqueloutro… A qualquer hora do dia que se atente no que está a dar em algum dos canais (quando não em todos),  dá seguramente Sócrates, a propagandear-se e ao seu governo de forma descarada, sem qualquer pingo de vergonha ou de recato. Como qualquer Grande Líder que se preze, é na unilateralidade da mensagem, ou seja, no discurso em cima do púlpito, que se sente mais à vontade, recusando sempre que pode a concertação e o diálogo.   Aplaudido por uma massa política amestrada que ou tem medo ou é bem paga, ou ambas as coisas, não tem vozes contra - nem no PS, nem na oposição -,  e as poucas interpelações incómodas que lhe são feitas, rechaça-as  de forma mal-educada, disparando frases como “Agora não  porque estão à minha espera para jantar”. Com um enorme à-vontade, portanto, manda o país à merda em directo.  A imposição da imagem  do PM  visa propagar o culto da sua pessoa; pessoa, esta, cada  vez mais destacada do partido socialista e, até, dos restantes  membros do governo, meros obreiros do mestre.  Aos poucos, Sócrates tem vindo a despojar o país de massa crítica, insinuando-se como o paizinho da nação, o chefe modernaço-apoiante-das-novas-tecnologias,  treinando-se diariamente para uma nova maioria absoluta (que vai obter, pois não há alternativa: o PSD não existe). Para nosso azar, conta com um Presidente da República mansinho, mansinho, que se basta com um vetozito político de vez em quando e em passear com a sua Maria.

Cuidado, Portugal. Já houve ditaduras que começaram com menos, e algumas começaram assim: eleitas democraticamente.

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D