Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

two out of three ain´t bad

por Vieira do Mar, em 28.06.08

O João dedica-me o melhor slow de todos os tempos, obrigada! E porquê, o melhor? Primeiro, porque o compasso era perfeito para aquela coreografia básica  do  um passo para um lado e outro para o outro (só suplantada  pela complexidade técnica  do um passo para um lado e dois para o outro);  segundo,  porque tem aquele dramatismo épico  fundamental aos primeiros amores,  mercê da violinada excessiva e do esforço suado e sofrido do artista então conhecido na terra dele como rolo de carne (mas isso a gente não sabia). Uma lamechice perfeita,  que avançava e crescia  na proporção directa do fervilhar das hormonas e do atrevimento das mãos.

Nos inícios dos anos oitenta, o slow era uma etapa obrigatória do namoro ou da curte (a diferença residia no grau de seriedade do compromisso). A coisa ocorria normalmente numa casa particular de um amigo ou no ginásio de um liceu;  para tanto, bastava uma mesa misturadora  com dois gira-discos (para fazermos as passagens), umas colunas vistosas, umas luzes psicadélicas, e pronto: éramos todos djs de ocasião,  e a noite fazia-se a discos pedidos. Primeiro, aquecíamos o nervoso miudinho com o ska, o reggae, o punk rock, os primórdios da música electrónica e alguns restos mortais do disco. Mas sempre na mira do agarranço, então ainda um bocadinho cerimonioso,  feito de limites implícitos e de gestos proibidos. Dançar um slow era o meio caminho entre os bilhetinhos na sala de aula e o lambuzanço rápido nos esconsos do liceu; era o primeiro reconhecimento do sexo oposto, a primeira intrusão táctil nos mistérios alheios. Hoje, o conceito de slow é pura e simplesmente desconhecido desta nova geração que, em público, facilmente se agarra - mas que não dança agarrada. O pudor não é para aqui chamado, é apenas uma questão de moda ou,  talvez,  de queimar etapas.  O que leva a que  às vezes me pergunte como faz a tribo de agora para crescer assim, tão depressa e  à bruta, sem estes meigos rituais de passagem, mas isso  dava post para mangas.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2004
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D