Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

paris e futebol

por Vieira do Mar, em 17.06.08

No dia do primeiro jogo de Portugal estávamos em Paris e  resolvemos assistir ao jogo num restaurante onde habitualmente se reúne a “comunidade portuguesa”. Rapidamente concluímos que tínhamos poucas saudades das febras, dos frangos assados, das mines, do carrascão e dos empregados a servirem-nos por especial favor, e optámos por uma brasserie lá perto,  com um ecrã gigante. Onde, é claro, também havia  um empregado português, mas este já sujeito às regras de bem servir francesas, pelo que não tivemos de lhe implorar pela comida,  nem que nos matasse a sede. Depois da vitória, começámos a ouvir buzinas e gritos cá fora; nada de estranho, afinal, estávamos numa espécie de cantão português. Mas, a caminho dos Campos Elíseos, o barulho, em vez de diminuir, aumentava. Em menos de uma hora, a principal avenida  francesa estava apinhada com milhares de portugueses, de carro e a pé, que pura e simplesmente pararam o trânsito e comemoraram como se Portugal tivesse ganho o campeonato. Eram maioritariamente portugueses de segunda geração, miudagem que não sabe sequer dizer “Portugal” e diz “Pórtiugale”. Paravam os carros quitados em segunda fila, abriam o porta bagagens, de onde saíam duas colunas de som gigantes, e punham no máximo coisas como o bacalhau quer alho e o arrebita, arrebita, arrebita, bem em frente a uma das lojas mais bonitas e luxuosas do mundo, a da sede da Louis Vuitton, num estranho paradoxo sonoro e visual. A reacção à polícia que, impávida e serena, ia passando, era de alguma provocação, mas sempre aquém de quaisquer excessos que pudessem levar à intervenção desta. Tudo soft e à boa maneira portuguesa, portanto. Aliás, a polícia francesa (pelo menos a parisiense) tem esta atitude que me parece admirável, que é a de só intervir quando as liberdades dos outros estão em causa. O trânsito em Paris, por exemplo, é uma eficiente contravenção em todas as direcções, porque só assim é possível a circulação simultânea de alguns milhões de pessoas: uma gestão de bom-senso, portanto. Bom, mas retomando o que estava a dizer: os poucos franceses, e os restantes estrangeiros, que conseguiam furar as barreiras formadas pelas bandeiras, a gritaria e a péssima selecção musical, respondiam com “Morue! Morue!” e “Ronaldô”, olhando os portugueses com aquela curiosidade divertida que se dispensa a uma cultura alienígena. Estranho, aquilo,  ver cidadãos franceses, nascidos em França, alegando súbita pertença  a um outro país que, se calhar, nem conhecem, exprimindo-se numa língua que falam mal, e fiéis a tradições que já só o são fora desse outro país, como os ranchos folclóricos ou o vira. Fiquei com a sensação de que ser português, lá fora, continua a ser o sonho de um dia deixar de ser português, embora não se saiba bem como.  Já aqui o disse, eu sei, mas mais uma vez  a ideia assaltou-me em força: parece que não há maneira de nos livrarmos disto, desta mediocridade endémica que nos faz sermos sempre iguais à caricatura que os outros fazem de nós.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2004
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D