Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

Controversa Maresia

um blogue de Sofia Vieira

verdades e vaidades

por Vieira do Mar, em 12.05.08

 Hoje é excepcionalmente louvável, porque é sinal de liberdade, dizer-se sempre aquilo que se pensa. Confunde-se frontalidade com egoísmo e honestidade com inconveniência. Poucos se dispõem ao sacrifício da mentira, mesmo que a piedosa, e as pequenas cedências caíram em desuso. Até o melindre é coisa de somenos, sentimento de fracos e de carentes sem auto-estima. Do mesmo modo, muitos não se abstêm de, em nome da verdade, morder a mão que lhes dá de comer, o que pode ser mais abjecto do que a própria mentira. Está muito de moda vomitar verdades sem querer saber das consequências;  e nunca um cliché serviu tanto como desculpa para a pura e simples falta de educação. Veja-se o caso de Bob Geldof. Não ponho em causa o papel meritório que acredito que tenha na causa africana, embora embirre um tudo nada com a pose e o discurso em geral. Mas a questão é outra. É a questão daquilo que se diz e das consequências do que diz, ou melhor, do dever ser-se consequente naquilo que se diz, em especial quando nos movimentamos ao mais alto nível e a nossa conversa não pode ser de café. Dizer que “Angola é governada por criminosos” , para além de uma evidência, é exactamente o quê?  O que é Bob Geldof pretende? Despertar a consciência humanitária dos banqueiros presentes? Apelar ao derrube pelas armas do regime angolano, por forma a substitui-lo por outro, quiçá não corrupto nem criminoso? Apelar ao povo angolano para que derrube o regime nas urnas, como se a lisura de um  processo democrático se adquirisse subitamente por mimetismo? E Portugal? Tem um “papel importante” em quê? Na subjugação do  regime criminoso pelas armas? Devemos mandar para Angola os submarinos do Portas? Não? Então? Na conversão dos criminosos? Devemos tentar convencê-los com palavras doces? Ou boicotar as trocas comerciais e contribuir para uma ainda maior miséria dos angolanos, tipo EUA a CUBA? O que me parece é que estes discursos “corajosos” de quem só diz a verdade e nada mais do que a verdade, independentemente do sítio onde se encontra, das circunstâncias  e dos objectivos atingidos ou a atingir, acaba por soar a coisa pífia e pouco consequente. O que, para quem tem pretensões a mudar o mundo, é pouco.  Além de que, muitas vezes e também, esse apregoar do exercício de um espírito tão mais livre do que os outros é, não só uma antipática afirmação de superioridade, como um sinal de enorme vaidade.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D